Paulo Neto

 

Possessão e incorporação, espíritos possuindo

 

fisicamente os encarnados

Considerações iniciais:

 

Vamos tratar de dois assuntos polêmicos no meio espírita. Em razão deles estarem intimamente ligados um ao outro,nos fez juntá-los num mesmo livro.

 

Primeiramente, demonstraremos que a falta de um estudo profundo leva alguns espíritas a não aceitarem a possessão, porquanto se baseiam numa fala de Kardec, esta anterior à mudança de sua atitude, como ficará bem claro no desenvolver de nossos argumentos.

 

O segundo tema é sobre a incorporação, que, no fundo, é uma possessão, uma vez que o processo de intercâmbio mediúnico é o mesmo do da possessão. Aliás, a bem da verdade, esses dois nomes designam a mesma coisa; isso,para nós, é claro.

 

Embora ambos os temas tenham sido desenvolvidos originalmente separados (vamos mantê-los assim), agora, neste livro, resolvemos juntá-los no mesmo espaço, vamos assim dizer, pelo motivo já explicado.

 

Achamos por bem alertar o leitor que, à primeira vista, nos dois tópicos, algumas citações, ainda que parcialmente, são repetidas; isso parece ser estranho aos que entendem que cada um desses fenômenos tem características próprias; entretanto, assim o fizemos para demonstrar que, no fundo, são iguais.

 

Esperamos que os leitores possam se dar conta dessa realidade, porquanto é algo bem claro nas obras espíritas que utilizaremos como base dos nossos argumentos.

 

Como já fomos questionados por pessoas que não se deram ao trabalho de ler o que apresentamos como provas, encarecidamente, pedimos, aos que não comungam da ideia, que se deem uma oportunidade de ler tudo quanto colocamos
no presente estudo. Caso, ainda, persistam em seus argumentos, não iremos nos aborrecer com isso, pois é dado a cada um o direito de pensar como melhor lhe aprouver.

 

Paulo Neto

Ver no site a obra de Allan Kardec "O Livro dos Espíritos"

 

Fontes: Portal Paulo Neto

 

 

"Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.

 

(Hebreus 12:1-2)

 

 

10. Por que permite Deus que Espíritos nos excitem ao mal?

 

"Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a por em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem. Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito. Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem. A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo. Só quando queiras o mal, podem eles ajudar-te para a prática do mal.

 

Se fores propenso ao assassínio, terás em torno de ti uma nuvem de Espíritos a te alimentarem no íntimo esse pendor. Mas outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.” É assim que Deus confia à nossa consciência a escolha do caminho que devamos seguir e a liberdade de ceder a uma ou outra das influências contrárias que se exercem sobre nós."

 

Allan Kardec - O Livro dos Espíritos - Capítulo IX - 2ª Parte - Da intervenção dos espíritos no mundo corporal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Neto - Possessão e incorporação, espíritos possuindo fisicamente os encarnados