PEARL LENORE CURRAN

 A GRANDE MÉDIUM POLIGLOTA

(1883 - 1937)

 

OS GRANDES FENÔMENOS DE XENOGLOSSIA

 

A médium Pearl Lenore Curran não foi uma médium espírita na acepção do termo e também não escreveu obras espíritas, mais suas faculdades foram estudadas por vários estudiosos espíritas tais como: Ernesto Bozanno, Hermínio C. Miranda, aonde através de pesquisas relataram as faculdades mediúnicas ostensivas de xenoglossia da médium e que nós interessam em questão. (Ver o LINK de Ernesto Bozanno)

Apresentação da biografia:

Pearl Lenore Curran nasceu em Mound City, Illinois, em 15 de fevereiro de 1883 e desencarnou em 04 de dezembro de 1937.

No início do verão de 1913, uma dona de casa em St. Louis, chamada Pearl Curran, começou a receberem secretos, mas distintos fragmentos de uma mensagem na tábua Ouija. Pearl tinha apenas uma educação até o oitavo grau e nunca viajou ao estrangeiro (e aparentemente não tinha nenhum desejo para fazer isso).

Seu interesse em leitura era mínimo e raramente estendido para qualquer coisa mais exigente que revistas de mulheres e um leve e ocasional romance. Sua notável habilidade somente parecia ser musical, e até que era bastante modesta.

A personalidade aparentemente manifestava-se através de Pearl na tábua Ouija, e eventualmente por escrita automática, chamava-se Patience Worth e alegava ser o espírito de uma mulher inglesa do século XVII.

Patience escreveu milhares de poemas e vários romances de qualidade incomum e freqüentemente como uma excepcional literária. A completa comunicação de Patience Worth ocupa 29 volumes na Missouri Historical Society em St. Louis e inclui poemas, romances, conversações e provérbios expressivos. As comunicações duraram mais ou menos 25 anos, mas a maior parte do trabalho foi elaborada nos primeiros 12 a 15 anos.

Como em muitos casos de mediunidade ostensiva, Pearl e Patience tiveram personalidades notadamente diferentes. Os dois aspectos mais excepcionais do caso são (1) as Habilidades literárias sem precedentes de Patience, diferentemente das de qualquer outro escritor, e (2) o dialeto incomum escolhido por Patience.

Com respeito ao primeiro aspecto, a escrita de Patience fluía espontaneamente, sem correção ou revisão (ou declínio de qualidade) e tão rápida quanto os escriturários poderiam fazer. Isso ocorria até nos casos em que Patience era solicitada a improvisar poemas de acordo com os assuntos escolhidos pelos assistentes ou realizar várias façanhas composicionais (por exemplo, fazer com que cada linha de um poema começasse com uma letra diferente do alfabeto, de A até Z, omitindo X).

Em relação ao segundo aspecto, Patience fez uso extensivo de palavras inglesas pertencentes ao século XVII e, algumas vezes, de alguns séculos anteriores. Algumas palavras do dialeto foram localizadas por eruditos somente depois que apareceram nos manuscritos de Patience Worth.

Além disso, os manuscritos freqüentemente exibiram extraordinariamente uma forte segurança em raízes Anglo-saxões, aparentemente sem precedentes na literatura inglesa, dando aos trabalhos um ritmo e estilo sem igual.

Algumas escritas de Patience eram implacavelmente mais arcaicas que outras, mas até sua escrita mais moderna tinha uma curiosa e sólida qualidade distintiva ao longo de todos os seus trabalhos.

Isto posto, cumpre notar que, do ponto de vista dos fenômenos de xenoglossia, o caso de Patience Worth deve considerar-se dos mais importantes, dos mais incontestáveis, dos mais concludentes da categoria respectiva, tendo-se em vista que não se trata aí de simples frases, ou de poucas páginas ditadas por um médium em língua dele ignorada, mas de dois grossos volumes que formam um total de 600 páginas, sem considerar que a mesma entidade espiritual, quando conversa com os experimentadores, se exprime invariavelmente no seu dialeto pátrio, de há três séculos.

Repito, pois, que mais não se poderia desejar, quanto a exemplos que provem de modo resolutivo que os fenômenos de xenoglossia existem e, por conseqüência, que aos metapsiquistas já não é lícito eximirem-se de lhes discutir o imenso alcance teórico, entrincheirando-se no invalidado pressuposto de ainda ser duvidosa a existência deles.

Ernesto Bozzano - Hermínio C. Miranda - O Mistério de Patience Worth

Fontes: Songs of the Spirit by Patience Worth

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Biografia de Pearl Lenore Curran

 

Ernesto Bozzano - Hermínio C. Miranda - O Mistério de Patience Worth

 

Patience Worth - Sorry Tale (Eng.)

 

Patience Worth - Light from Beyond (Eng.)