GLADYS OSBORNE LEONARD

(Mrs. Leonard)

 A FANTÁSTICA MÉDIUM VIDENTE

"A Sra. Piper britânica"

(1882 - 1968)

 

Vidência [do latim vidente + -ia] - 1. Qualidade ou faculdade de vidente. 2. Pessoa que tem o uso da vista, em oposição a cego. 3. Para a Doutrina Espírita, é a faculdade que possuem alguns médiuns de ver com os olhos da alma. A visão geral e permanente dos Espíritos é excepcional e não está nas condições normais do homem.

(A vidência é a faculdade mediúnica de ver os Espíritos. E a emancipação da alma se verifica às vezes no estado de vigília e produz o  fenômeno conhecido por dupla vista, que é a faculdade graças à qual quem a possui vê, ouve e sente além dos limites dos sentidos humanos. Pode se produzir espontaneamente ou ser  provocado pela ação do agente magnético. A moléstia, a proximidade do perigo, uma grande  comoção podem desenvolvê-la).

 

O grande pesquisador da mediunidade de Gladys Osborne Leonard foi Sir Oliver Lodge LINK

O grande pesquisador da mediunidade de Gladys Osborne Leonard foi Charles Drayton Thomas LINK

Biografia de Gladys Osborne Leonard:

Gladys Osborne chegou a ser cantora profissional e durante este período adquiriu conhecido experimental sobre fenômenos do Espiritualismo através das experiências das mesas girantes. Ela se sentou com duas amigas em seu vestiário. Depois de 26 fúteis tentativas, um comunicador apareceu e se chamou "Feda" e disse que em uma vida havia sido a esposa de um dos antepassados de Leonard.

Na obra “My Life in Two Worlds” (1931) Gladys Osborne Leonard rememora a infância dizendo: "para tudo o que eu estivesse olhando, a aparência física da parede, a porta, o teto, ou qualquer que seja, desapareceria, e em seu lugar gradualmente apareciam vales, pequenas montanhas, adoráveis árvores e bancos cobertos com flores, de toda forma e matiz.

A cena parecia se estender a muitas milhas, e eu estava consciente que poderia ver muito mais distante do que fosse possível com a paisagem física ordinária ao meu redor".

O Espírito "Feda" permanecia uma assistente fiel de Leonard e era sempre a primeira a ser bem sucedida quando Gladys Osborne entrava em transe. Ela às vezes escutava objetivamente vozes, sentia leves toques e pequenas manifestações quando estava sozinha, sendo sempre ciente a respeito do sentimento de branco ou "interrupção" quando tais coisas aconteciam.

Ocasionalmente, para propósitos médicos, "Feda" cedia a vez para "North Star", um espírito exótico, sem o recurso psicofônico articulava as mãos aplicando passes no paciente, logrando êxito de cura em várias pessoas de diferentes enfermidades.

Em março de 1914, infelizmente seguindo a tradição inglesa "Feda" deu instruções para que Gladys Osborne se transformasse numa médium profissional. Mais, a rigor, Gladys Osborne ficou conhecida pela sua faculdade de comunicação com os espíritos e também por sua incrível clarividência, sua capacidade extraordinária de ver coisas a grandes distâncias.

O reverendo Charles Drayton Thomas, que nenhuma ligação tinha como o Espiritismo, fez nada mais nada menos do que 500 sessões com Gladys a fim de avaliar a veracidade de sua mediunidade. Excluiu completamente a hipótese de seu conhecimento transcendental ser apenas telepatia e não o contato com os espíritos.

Sir Oliver Lodge também dedicou bastante tempo para pesquisar a mediunidade de Gladys e os resultados foram positivos. Lodge e sua esposa esteve acompanhado Osborne, mormente por causa após da desencarnação do filho Raymond, que morreu em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial. A primeira evidência de sobrevivência de Raymond foi obtida por Leonard, e a publicidade que repercutiu fez de Gladys Osborne uma celebridade.

Em 1918, por um período de três meses, Gladys ficou exclusivamente comprometida com a Society for Psychical Research. Deu 73 sessões, quase todas foram anônimas. O relatório de Sra. W. H. Salter declarou que os assistentes geralmente concordavam que tinham obtido boa evidência da sobrevivência da personalidade e também que a completa probidade da médium não podia ser questionada.

Em “My Life in Two Worlds”, Gladys Osborne narrou muitas interessantes experiências de viagens extracorpóreas. Ela declarou que freqüentemente encontrava pessoas no mundo espiritual e que trazia as memórias de tais reuniões no estado de vigília. Estas excursões espirituais freqüentemente receberam notável confirmação por outros meios. Leonard também cooperou com o parapsicólogo W. W. Carington nos testes para estabelecer se "Feda" era uma personalidade secundária ou um comunicador genuíno.

Sra. W. H. Salter, uma conhecida pesquisadora da SPR, realizou um número bem grande de sessões com Gladys. Sra. Lydia W. Allison, Radclyffe-Hall e Lady Troubridge também fizeram muitas sessões com Gladys e todos eles ficaram convencidos da mediunidade de Gladys.

Após quase meio século de trabalho fecundo através da mediunidade desencarnou em 10 de março de 1968.

São Paulo, 01 de fevereiro de 2016

Irmãos W. e Jorge Hessen

O filho de Sir Oliver Lodge "Raymond"

(Desencarnado numa trincheira de Flandres, logo nos primeiros meses da Primeira Grande Guerra)

***

Telegrama do Ministério da Guerra

17 de setembro, 1915.

Profundamente lamentamos ter de informar-vos que o Segundo-Tenente R. Lodge, do 2º South Lancs, foi ferido a 14 de setembro e veio a falecer. Lord Kitchener manda suas simpatias.

***

Telegrama do Rei e da Rainha

Profundamente o Rei e a Rainha lamentam a perda sofrida por vós e pelo Exército, com a morte do vosso filho a serviço da pátria. Suas Majestades sinceramente comungam com a vossa dor.

Os trabalhos mediúnicos da médium Gladys Osborne Leonard

Sessão de mesa com Mrs. Leonard

No dia seguinte Lady Lodge e Mrs. Kennedy, com uma senhora francesa, Mme. Le Breton, viúva que perdera os dois únicos filhos na guerra, Guy e Didier, e estava de coração partido, foram à casa de Mrs. Leonard para uma sessão de mesa. Mrs. Kennedy encarregou-se das notas.

As três damas e a médium sentaram-se em torno da mesinha, com as mãos levemente apoiadas, e tudo funcionou bem. Mensagens muito razoáveis foram transmitidas em francês. Guy deu o seu nome, mas Didier falhou em dar o seu – saiu “Dodi”. Também Raymond deu o nome de uma de suas irmãs e respondeu a mais coisas muito apropriadamente.

A 28 de setembro minha mulher e eu tivemos outra sessão com Mrs. Leonard, que por esse tempo já nos havia identificado.

Em 1917 o que de mais interessante consegui foi uma sessão de voz direta, ocorrida em janeiro, com Mrs. Roberts Johnson, a chamada “médium-corneta”; interessante, à vista de posterior referência feita ao fato através de outro médium.

A sessão realizou-se nas proximidades de Birmingham, em casa dum médico, com várias pessoas  presentes, entre as quais Lady Lodge e Honor, que se apresentaram anonimamente.

Aqui reproduzo as notas tomadas por minha filha:

Senti grandes ondas de vibração, como se estivéssemos no mar, ondas que se erguiam do chão sob a minha cadeira e que todos os presentes igualmente sentiam. Também lufadas de ar frio.

Os presentes eram amigos do Dr. ..., que é um investigador psíquico não muito crédulo na corneta.

Depois de algum tempo do início da sessão uma profunda voz escocesa vibrou na corneta, ou nas suas vizinhanças, dizendo:

– Bom dia, senhores!

Explicaram-me tratar-se do guia principal, David.

Continuamos a cantar; a voz manifestou-se de novo:

– Todos estão agindo bem.

A corneta começou então a dar voltas pelo recinto, batendo nas pessoas; algumas confessaram ter sido tocadas por mãos, ou terem ficado manietadas dos braços, como que agarradas por outros braços. Por fim a corneta dirigiu-se a nós, e Mrs. Johnson declarou que estava vendo um moço em uniforme cáqui, de pé à minha frente, com papel e lápis na mão. E a corneta nos disse:

– Ray mnd. Ray mond. (a segunda sílaba era quase imperceptível para quem desconhecesse a palavra).

– Diga a meu pai que estive aqui.

Isso foi enunciado em falar muito débil, mas no qual reconhecemos a voz de Raymond. Como houvéssemos percebido mal, pedimos-lhe que repetisse a última frase, o que foi feito num tom gritado que estragou a voz com misturá-la à vibração da corneta. Minha mãe aborreceu-se. Raymond então disse:

– Não se aflija, mãe. Estou bem.

Minha mãe perguntou:

– Sabia antecipadamente que vínhamos aqui?

– Sem dúvida. Estou sempre convosco.

A corneta bateu em mim e em minha mãe. Mrs. Johnson conservava-se repetindo durante todo o tempo:

– Fale, fale, amigo!

A corneta foi em seguida para o centro da sala e comunicou mensagens a outras pessoas. Lá para o fim da sessão vimos luzes pelo teto, como estrelas; também ocorreram batidas no canto da sala, fenômeno a que ninguém deu importância.

Essa sessão foi realizada a 23 de janeiro de 1917. A 12 de fevereiro, três semanas depois, numa sessão de Mrs. Leonard, Feda nos disse, a Lady Lodge e a mim – referindo-se à família em geral:

Feda – Ele (Raymond) declara que andou procurando falar convosco. Não por meio da mesinha, mas por meio de voz falada – e que ficou um tanto desapontado.

Lodge – Por quê? Por não o ter conseguido? [não sabíamos ainda ao que ele se referia].

Feda – “Sim. Eu estava lá. Estava, mas desapontado por não adquirir força e agir adequadamente. Tenho esperança de atuar melhor em outra ocasião. Alguém lá presente me falou; mas eu não podia ver com clareza; uma espécie de névoa envolvia tudo. Alguém procurava ajudar-me, alguém que eu não conheço”.

Ele está mostrando a Feda uma sala de visitas, não em vossa casa – em outra. Não foi hoje ou ontem. Ele julga que estavam lá várias pessoas não só você. Faz tempo.

(Lady Lodge percebeu ao que Raymond se referia e perguntou:)

Lady Lodge – Quem estava lá?

Feda – Miss Olive e uma senhora. Soliver não estava. Raymond não podia ver com clareza as pessoas, mas havia lá mais gente além de vocês. Raymond experimentou falar.

Lady Lodge – Diga-lhe que ouvi sua voz.

Feda – Isso alegra-o. Mas naquela ocasião sentiu-se decepcionado por não conseguir força bastante. Adquiriu-a, mas perdeu-a logo. No momento não pôde pensar em testes. Interessa-se em testes e tinha alguns preparados – mas nada pôde fazer. Nada pôde dizer além de generalidades. Diz que tocou na senhora – duas vezes, parece.

Fontes: Oliver Lodge - Raymond uma prova da sobrevivência da alma

Fontes: Survival After Death

Fontes: Portal Psychictruth

"É o conhecimento de que o Espiritismo tem feito por mim espiritualmente, mentalmente, e mesmo fisicamente, que me impele a tentar, neste livro simples, mostrar aos outros como compreender a verdade sobre a sobrevivência pessoal, e beneficiar aqueles pelo acréscimo de esperança e de coragem para enfrentar as dificuldades e provações da vida cotidiana, e enfrentar com calma - ainda espero que a tragédia aparente chamada Morte, que a pobre maioria dos seres humanos comece a banir de suas mentes tanto e tanto tempo quanto possível."

Gladys Osborne Leonard "A Médium Vidente"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Biografia de Gladys Osborne Leonard (Escritor Espírita Jorge Hessen)

 

Gladys Osborne Leonard - Minha Vida em Dois Mundos (Obra rara traduzida)

 

Oliver Lodge - Raymond uma prova da sobrevivência da alma