JUSTINUS KERNER

A VIDENTE DE PREVOST

 

Tradução de Carlos Imbassahy

 

Título original obra em alemão

Justinus Kerner - Die Seherin Von Prevost

 German (1830)

 

Título da obra em francês

Justinus Kerner - La Voyante de Prévorst

Traduction par le Dr. Dusart

Paris (1910)

Sinopse da obra:

O Dr. Justinus Kerner é famoso em todo o mundo por este intrigante caso. Quando era médico de sua cidade, Kerner estudou as faculdades mediúnicas de Frederica Hauffe, conhecida como “A  Vidente de Prévorst”.

Suas observações foram reunidas no conhecido livro que leva este nome. Kerner catalogou e documentou os fenômenos conhecidos hoje como “mãos de fogo” (combustão espontânea nas mãos), “telecinesia” (movimento de objetos à distância), e o permanente sonambulismo da vidente e outros fatos mediúnicos.

Por esses estudos, Kerner é considerado hoje, pelos os que professam a Doutrina Espírita, como um dos grandes predecessores de  Allan Kardec, que em 1857, lançou as bases do Espiritismo moderno através da Obra O Livro dos Espíritos.

Prefácio à tradução em português:

Já um escritor infenso às doutrinas espíritas, René Sudre, notava que, vinte anos antes de Allan Kardec, aquelas doutrinas e os fenômenos descritos nos livros do Codificador se apresentavam nas manifestações da Vidente de Prevorst.

Os mais entendidos em matéria histórica verão ainda que os casos do chamado Psiquismo supranormal verificaram-se em todos os fastos da Humanidade. O que admira é que, tratando-se de fenômenos comprovados por infindável série de testemunhos, através dos séculos e em toda a parte, ainda haja quem os negue, chegando muitos a supor que demonstram extraordinária argúcia no riso de mofa com que os acolhem.

O que não se havia coligido num corpo de doutrina era a moral que estas manifestações nos traziam. E o que se deve ao nosso século é o interesse que uma plêiade de sábios tomou pelo assunto, com sacrifício de tempo, de interesses particulares e muitas vezes do renome, visto que aquilo que diz com "as almas do outro mundo" sempre foi encarado como superstição, e os estudiosos no assunto, como pessoas de pouco equilíbrio mental.

A insistência, à perseverança, à coragem de um pugilo de desbravadores se deve haver passado do domínio da lenda para o campo da Ciência a fenomenologia de ordem psíquica extranormal, da qual os acadêmicos até hoje não puderam tomar conhecimento.

Já se sabe que o fato existe; já se conhece que a História o registra; muitos, porém, pensam ainda que a parte teórica é lucubração de Allan Kardec. As variadas narrações deste livro desmentem, de maneira categórica aquele último refúgio onde se encantonam os negadores.

E bem de ver que, mescladas aos ensinos que os Espíritos davam a Vidente, há as idéias ancestrais que ela armazenara nas profundezas do ser, no decorrer dos séculos; há ainda as teorias explicativas do Autor, que ignorava a matéria-só agora espalhada pelo Mundo: haja visto que se refere às noções sobre as moradas no Espaço, as esferas, os diversos planos, a hierarquia espiritual, até então encobertos por um véu que está aos poucos sendo levantado. A revelação não poderia vir de chofre. E há as suas inferências.

E de crer também que os próprios Espíritos só pudessem apresentar o que sabiam, o de que eram testemunha, o que tinham verificado. Não se vendo nas três estâncias assinaladas pelas religiões ocidentais; não conhecendo ninguém votado às penas eternas; sabendo por experiência própria e alheia que o sofrimento corresponde às faltas e que a dor é a sua remissão; notando já em si, já nos vizinhos, que não há reforma imediata, mas que cada qual conserva suas idéias, hábitos e pendores, proclamaram o que lhes estava a entrar pelos olhos.

Mas os velhos ensinos, que durante muitos séculos lhes foram incutidos no cérebro com a cartilha religiosa, enfronharam-se-lhes no espírito. E os menos adiantados, não vendo provas em contrário por fugirem ao domínio dos fatos observáveis, como a Redenção, ou se perderem na escuridão dos tempos, como o pecado original, esses ensinos seriam ministrados tácita ou expressamente; ou estariam no subconsciente da própria médium e a ela cabe a responsabilidade deles.

Outros há que se encontram na obra da Codificação e formam a maioria, tornando-se admiráveis pela perfeita concordância existente entre ela e eles. Isto nos mostra o método a seguir no descobrimento da verdade, nesse gênero de revelação. E já nas obras de Allan Kardec se estabelece que uma doutrina espírita para ser aceita deverá provir de várias fontes, por diferentes médiuns, em diversas épocas e lugares. A vidente de Prevorst é uma dessas fontes probantes.

E interessante também mostrar como certos casos se ajustam com o que observamos em nossas pesquisas e em nossa prática. Daremos um exemplo.

Relatam os Espíritos, como se vêem, em Kardec, que o ser no Espaço conserva, de maneira completa, as suas características intelectuais e morais.

Tínhamos um amigo, de nome Américo, que uma vez nos presenteou com uma camisa de lã magnífica: E como lhe perguntássemos mais tarde como a adquirira, respondeu:

- Apanhei-a na loja.

- Mas apanhou, como?

Era ele empregado numa casa comercial. E entre risadas nos disse:

- O patrão é um patife; ladrão como ele só; e quando me trata mal, vindo ralhar-me aos berros, um grosseiro que é já que não lhe posso partir a cara, multo-o, trazendo-lhe a mercadoria.

E achava naquilo uma graça imensa. Cremos que o fazia por pilhéria, mais por pregar uma peça ao patrão; verdadeira garotada, tanto que distribuía o produto da fraude com os amigos.

O que aqui queremos mostrar é o seu espírito irreverente, brincalhão, alheio as convenções, ao respeito social, despreocupado com o juízo do mundo, inconsciente da falta cometida.

Faleceu o Américo, e numa sessão, quando já não nos lembrávamos dele e muito menos do incidente, ele se manifesta. Ocorreu-nos então o caso, e para identificá-lo a aludir à sua "dádiva". Ele para logo atalhou:

- Você quer falar daquela camisa furtada?... - E riu-se muito.

Estava ali o Américo com a demonstração irrefutável de sua presença, pois que se apresentava qual fora em vida. Esqueceu-nos perguntar-lhe se aquelas multas não lhe teriam causado alguns dissabores no Espaço. O caso é que ele tinha o furto como uma boa e excelente facécia.

Fatos que tais, constantemente reproduzidos vêm trazer-nos, pelo testemunho universal, a prova daquilo que os Espíritos ditaram ao mestre lionês.

Esta obra, portanto, é um trabalho prestado de grande valor para os estudos metapsiquicos, já por ser clássico, já porque é um reforço ao ensino espírita, já porque vem demonstrar na persistência e ancianidade do fenômeno, na interação de suas causas e efeitos, a autenticidade do que está condensado atualmente sob o nome de Espiritismo.

A sua tradução para o vernáculo fazia-se necessária. As traduções em outros idiomas que tivemos à vista pareceram-nos acertadas em não reproduzir literalmente o compacto trabalho do Dr. Kerner, com as minúcias e rigores próprios da índole alemã. Ativemo-nos, portanto, à versão francesa, mais clara, mais concisa, conforme o estilo e o espírito gaulês.

Não nos foi possível, por vários motivos, valer-nos do original alemão. Que nos perdoem os leitores. As razões são muitas, e entre elas a de que ad impossibilia nemo tenetur.

CARLOS IMBASSAHY

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (O Mundo dos Espíritos - Revolução Espírita)

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Documentário - FEB - A Terceira Revelação - A Morte não existe)

"Na Alemanha este livro fez grande sensação. Entre outros vultos de escol que investigaram o caso da Vidente de Prevorst, estão Kant, Schubert; Eschenmayer, Gores, Werner e David Strauss. Um verdadeiro ramo filosófico resultou das revelações de Frau Hauffe, com um jornal próprio, publicado pelo Dr. Justinus Kerner em 1831, o periódico Blatter aus Prevorst; Originalien und Lesefrücthe fur Freunde des innern Lebens."

Nota da tradutora

"Esta obra, portanto, é um trabalho prestado de grande valor para os estudos metapsiquicos, já por ser clássico, já porque é um reforço ao ensino espírita, já porque vem demonstrar na persistência e ancianidade do fenômeno, na interação de suas causas e efeitos, a autenticidade do que está condensado atualmente sob o nome de Espiritismo."

Nota da tradutora

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Justinus Kerner - A Vidente de Prevost PDF

 

Justinus Kerner - Voyante de prevost (1829) (Fr)

 

Justinus Kerner - Die Seherin Von Prevost (1846) (German)