FRANEK KLUSKI

O GRANDE MÉDIUM POLONÊS

O REI DOS MÉDIUNS

O GIGANTE DA MEDIUNIDADE DE EFEITOS FÍSICOS

(1873 - 1943)

 

Ectoplasta [do grego ektós + plas (ma) + -ta] - Médium de efeito físico que empresta potencial ectoplásmico para materialização de Espírito ou objeto espiritual.

Ectoplasma [do grego e do latim, respectivamente: ektós + plasma]- 1. Biologia: parte periférica do citoplasma. 2. Parapsicologia: termo criado por Charles Richet para designar a substância visível que emana do corpo de certos médiuns. 3. Para a ciência espírita, designa a substância viscosa, esbranquiçada, quase transparente, com reflexos leitosos, evanescente sob a luz, e que tem propriedades químicas semelhantes às do corpo físico do médium, donde provém. É considerada a base dos efeitos mediúnicos chamados físicos, como a materialização, pois através dela os Espíritos podem atuar sobre a matéria.

 

O grande pesquisador da mediunidade de Franek Kluski foi Gustave Geley ver LINK

Biografia de Franek Kluski:

Na primeira metade do século XX a imprensa polonesa publicou com grande alarde sobre os casos de materializações de espíritos através do médium Franek Kluski.

O médium Franek Kluski, cujo nome verdadeiro foi Teofil Modrzejewski nasceu na Polônia.

O pai de Franek tinha os mesmos dons, mas nunca participou de sessões de materialização. Seu tio era um padre católico e dizia ter a faculdade da clarividência.

Teofil Modrzejewski era um talentoso poeta e um jornalista bem-sucedido e ilustrou vários jornais literários na Polônia, bem como um responsável homem de família.

Franek Kluski possuía faculdades latentes mediunidade de efeitos físicos e a mediunidade intelectual com notáveis dons psíquicos, que é uma combinação muito rara.

Estranhos pressentimentos, visões de acontecimentos distantes, e a facilidade de ver espíritos, eram seus os dotes, desde a infância, mas sua mediunidade só foi descoberta acidentalmente em uma sessão em Guzyk em 1919. Sua manifestação o irritou, mas sua curiosidade foi despertada.

Como a Sra. d'Esperance, ele preservou a consciência durante os fenômenos de materialização, e poderia dar inestimáveis relatos subjetivos de suas próprias sensações aos homens de ciência, a quem ele sempre foi muito dispostos a colaborar.

Não houve faceta em seus dons estranhos que não se prestava à análise mais completa e mais rigorosamente científica.

Na investigação científica, ele se colocou prontamente à disposição da Sociedade para Pesquisa Psíquica polonês e no Institut Metapsychique de Paris, onde seus primeiros assentos tiveram lugar em 1920, na presença de Charles Richet, Conde de Grammont, e Gustave Geley.

Como nos casos catalogados pelo Dr. Geley:

1- A imersão das mãos de espíritos materializados em parafina líquida e posteriormente a moldagens das mesmas em gesso odontológico. Sendo que a operação levou apenas três minutos. Normalmente, seriam necessários 20 minutos para produzir uma luva de parafina O molde é fino e delicado, da textura da pele perfeita. As luvas de Kluski desafiaram produção humana normal.

2 - Há diversos casos que foram catalogados por Gustave Geley e pelo Professor Pawlowski, do Massachusetts Institute of Technology em que os visitantes materializados, que parecem ter nascido para a existência temporária através do médium, não eram de seres humanos.

Eles eram de pássaros do mundo espiritual materializados nas sessões. Um pássaro, foi descrito, como um gavião ou urubu, sendo que foi ouvido esticar suas asas com um som de zumbido, acompanhada de rajadas de vento, “voou rondando e batendo as suas asas contra as paredes do teto, quando ele finalmente pousou no ombro do médium”.

Com a ajuda do mundo espiritual produziu a materialização de um pássaro. Provando que os animais podem sobreviver depois que eles saem dos limites de seus corpos [em outras palavras, o que nós conhecemos como morrer]. Os animais vivem após a morte. Obtidos na sessão do Institut Metapsychique de Paris.

Para Franek Kluski, um polonês, a quem o falecido Dr. Gustave Geley, diretor do Metapsychique Instituto Internacional de Paris, chamou o Rei dos Médiuns, devemos as mais incríveis experiências desse tipo de materialização com que os cientistas sempre tiveram a sorte de compartilhar.

Bibliografia de Franek Kluski

- Gustave Geley - Materialisations-Experimente mit M. Franek-Kluski, 1922.

- Gustave Geley, Stanley de Brath, Clairvoyance and Materialization, 2003 by Kessinger Publishing.

- The visions of Kluski" by Mary Rose Barrington 1924.

- Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz, 1926.

As pesquisas com o médium Franek Kluski:

O episódio que segue não é uma narração propriamente dita dos fenômenos observados, mas simplesmente uma referência a fenômenos desta categoria que se produziram durante longa série de manifestações mediúnicas complexas e extraordinárias, fenômenos que realmente se deram e que servem para esclarecer, ulterior e eficazmente, a gênese provável das manifestações minúsculas, o que me levou a tomá-lo seriamente em consideração.

Na interessantíssima narração do professor F. W. Pawloski a respeito de suas experiências com o famoso médium polonês Franek Kluski, publicada na já citada revista Psychic Science (1925, págs. 206-8), encontra-se a passagem que aqui reproduzo:

“As materializações não são sempre do tamanho normal. No fim da sessão, quando o médium começa a ficar esgotado ou quando não está fisiológica e psicologicamente bem disposto, a estatura dos espíritos torna-se inferior à normal; ela fica reduzida a dois terços ou mesmo à metade da normal. A primeira vez que me sucedeu observar esse fenômeno, julguei tratar-se de crianças, mas examinando-as melhor, distingui os rostos enrugados de um velho e de uma velha, em dimensões muito reduzidas.

Quando esse fato se deu, a personalidade dirigente das sessões disse: “Ajudemos o médium”, expressão empregada no círculo para fazer notar que o médium começava a perder as forças e que os experimentadores executassem simultaneamente a respiração profunda cujo efeito era literalmente maravilhoso: o tamanho dos espíritos anões aumentava rapidamente e, em alguns segundos, tomava proporções normais.” (Ibidem, págs. 216-7).

Não se poderia desejar melhor prova experimental do que esta para demonstrar que a hipótese que propus, como dois outros experimentadores, para explicar as causas que determinam as materializações minúsculas é legítima, racional e bem fundada, pois que é confirmada por modalidades nas quais se realizam os fenômenos em questão.

Dever-se-á então reconhecer que, quando rostos ou espíritos em proporções minúsculas se materializam, isto significa, quase sempre, que as personalidades mediúnicas que se manifestam não dispõem de ectoplasmas em quantidade suficiente para poderem materializar-se normalmente. É o que vemos produzir-se no caso exposto pelo professor Pawloski, no qual, desde que os assistentes, executando a respiração rítmica profunda, fornecem, abundantemente, fluido vital ao médium, o tamanho dos espíritos materializados aumenta, tornando-se, em alguns segundos, normal.

Ora, esse fato não é apenas uma prova a favor de minha tese, mas constitui também uma demonstração absolutamente decisiva de que ela está certa, salvo sempre a circunstância de que o fenômeno pode, por vezes, produzir-se por efeito da vontade da entidade que se manifesta.

Fontes: Paul Gibier/Ernesto Bozzano - Materializações de espíritos

Fig. 01 - A imersão de diversas partes do corpo dos espíritos materializados em parafina líquida

Gustave Geley - Materialisations Experimente Franek-Kluski

Fig. 02 - A imersão das mãos dos espíritos materializados em parafina líquida

Gustave Geley - Materialisations Experimente Franek-Kluski

Fig. 03 - A imersão das mãos dos espíritos materializados em parafina líquida

Gustave Geley - Materialisations Experimente Franek-Kluski

Fig. 04 - O Dr. Gustave Geley do Institut Metapsychique de Paris a esquerda da foto, participando dos serviços de materializações junto ao médium Franek kluski

Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz

Fig. 05 - O Dr. Gustave Geley do Institut Metapsychique de Paris a esquerda da foto, participando dos serviços de materializações junto ao médium Franek kluski

Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz

Fig. 06 - A materialização de um espírito obtidos na sessão do Institut Metapsychique de Paris, em 1920 por Franek kluski

Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz

Fig. 07 - A materialização de um espírito obtidos na sessão do Institut Metapsychique de Paris, em 1920 por Franek kluski

Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz

Fontes: Institut Métapsychique International (Dr. Gustave Geley)

Fontes: Site Nautilus (Col. Norbert Ocholowicz)

Franek Kluski possuía faculdades latentes mediunidade de efeitos físicos e a mediunidade intelectual com notáveis dons psíquicos, que é uma combinação muito rara. Estranhos pressentimentos, visões de acontecimentos distantes, e a facilidade de ver espíritos, eram seus os dotes, desde a infância, mas sua mediunidade só foi descoberta acidentalmente em uma sessão em Guzyk em 1919. Sua manifestação o irritou, mas sua curiosidade foi despertada.

Teofil Modrzejewski "O Jornalista"

"Franek Kluski, um polonês, a quem o falecido Dr. Gustave Geley, diretor do Metapsychique Instituto Internacional de Paris, chamou o Rei dos Médiuns, devemos as mais incríveis experiências desse tipo de materialização com que os cientistas sempre tiveram a sorte de compartilhar."

Teofil Modrzejewski "O Jornalista"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Franek Kluski (Fotografias de materializações espíritos)

 

Biografia de Franek Kluski

 

Biografia de Gustave Geley (Citação sobre o médium Franek Kluski)

 

Gustave Geley - Materialisations-Experimente mit M. Franek-Kluski (1922) (Ger)

 

Medium Frankiem Kluskim by Col. Norbert Ocholowicz (1926) (Pol.)