Antonio César Perri de Carvalho

ex-presidente da feb

OS MAIORES ORADORES ESPÍRITAS DA ATUALIDADE

(OS GRANDES GIGANTES DO ESPIRITISMO)

(1948 -     )

 

 

CANAL ESPÍRITA JORGE HESSEN

RELAÇÃO DE PALESTRAS ESPÍRITAS DE CÉSAR PERRI

(EM VÍDEO NO YOUTUBE)

Biografia de César Perri:

UMA VIDA, UM IDEAL, UMA IDEIA, UM HOMEM DE BEM

Antonio César Perri de Carvalho nasceu em Araçatuba-SP, no dia 21 de Maio de 1948, filho de Rodolfo Graça de Carvalho e Josefina Perri de Carvalho, professora primária, descendentes de italianos. Sua família não era espírita, mas muito ligada à Igreja Católica.

Estudante da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Perri era aluno e amigo de Orlando Airton de Toledo, líder espírita na região, que o levou para participar da UME local. Esteve, então, sempre ligado ao movimento unificacionista.

No ano de 1972 casou-se com Célia Maria Rey de Carvalho, com quem teve 3 filhos: Daniel, Gustavo e Flávio. Perri formou-se Cirurgião Dentista e seguiu a carreira universitária na Faculdade de Odontologia de Araçatuba (Universidade Estadual Paulista – UNESP), na especialidade de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial.

Doutor em Ciências, atuou como Professor Livre-Docente e Professor Titular. Chefiou a Câmara Central de graduação da Universidade Estadual Paulista e foi Pró-Reitor de Graduação da UNESP. Autor de cerca de 80 (oitenta) trabalhos científicos, publicados em revistas especializadas do Brasil, Estados Unidos, Japão, Alemanha e Itália.

Em 1984, recebeu a “Medalha e Prêmio de Honra ao Mérito Luiz César Pannain”, do Sindicato dos Odontologistas do Estado de São Paulo; em 1985, “Prêmio Professor Antônio de Souza Cunha”, do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxílo-Facíal; no mesmo ano, “Prêmio Cidade Personalidade em Odontologia”, em Araçatuba. [i]

É um líder espírita bastante estimado nas hostes doutrinárias no Brasil e no exterior, Cesar Perri, após sua saída da presidência da FEB, permanece cumprindo uma trajetória importantíssima, que teve seu nascedouro há muitos anos, inicialmente, do movimento espírita paulista e depois no cenário nacional e internacional.

O primeiro contato com o Espiritismo tem apontamentos de alguns episódios mediúnicos que levou sua família a procurar o Centro Espírita Varas da Videira, a que passou a frequentar. Na vizinha cidade de Birigui, a família começou a participar do Centro Espírita Amor e Caridade. Assim César Perri inicia a tarefa, dentro do movimento espírita.

Em Araçatuba, já aos oito anos de idade, acompanhava a genitora e os seus tios. Uma das razões de sua mãe acelerar sua procura a médiuns amigos e depois reuniões espíritas foi o fato que Cesar entrava em transe, semelhante a casos descritos em “No Mundo Maior”. Os episódios foram evanescendo, à medida que frequentava as reuniões.

Na adolescência, César participou da fundação de instituição beneficente, inicialmente mantida pela família, e, aos 16 anos, fundou a Mocidade Espírita da Instituição “Nosso Lar”, em Araçatuba, começando nesta ocasião a falar em público. Desde essa época mantem predileções literárias pelo “O Livro dos Espíritos”, “O Evangelho segundo o Espiritismo” e a admirável literatura emmanuelina.

Aos 17 anos de idade participou da I Concentração de Mocidades e Juventudes Espíritas do Brasil (em Marília), e passou a ser o representante da instituição beneficente de origem no Conselho da União Municipal Espírita de Araçatuba (Órgão da USE-SP).

Com seus 24 anos de idade, participou da fundação e da direção do Centro Espírita “Luz e Fraternidade” em Araçatuba. Foi diretor da União Municipal Espírita de Araçatuba e presidente de 1971 a 1986. Logo após passou a integrar a diretoria da USE (União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo), durante quatro anos, assumindo a presidência em 1990, permanecendo por três mandatos, concluídos no ano 2000.

Após sua aposentadoria, assumiu outro compromisso profissional em Brasília e passou a colaborar diretamente na Federação Espírita Brasileira (FEB) e no Conselho Espírita Internacional (CEI), embora, como diretor e presidente da USE-SP, já frequentasse as reuniões do Conselho Federativo Nacional da FEB, desde 1986.

Foi diretor da FEB, com atribuições em algumas áreas de comunicação social e principalmente como Secretário Geral do Conselho Federativo Nacional da FEB. Integrou a Comissão Executiva do Conselho Espírita Internacional e foi presidente da Federação Espírita Brasileira.

Sua percepção sobre o centro espírita é muito semelhante ao ideário dos primeiros cristãos dos tempos apostólicos. César é totalmente contra a excessiva formalização e escolarização na casa espírita. Para ele uma das questões cruciais da casa espírita é se criar espaço para o real acolhimento das pessoas que chegam aos centros.

Razão pela qual há necessidade de analisar, discutir e rever questões como a excessiva formalização e escolarização que ocorrem nos centros espíritas; a inadequação das propostas para crianças, adolescentes e jovens; um certo "engessamento" da mediunidade.

Cremos, que os anseios de César Perri de uma FEB menos burocrática e menos elitista, visando integração dos espíritas socialmente menos favorecidos ao movimento espírita, foram elementos perturbadores para as cobiças de poder da alta administração febiana, que impetrou fórmulas “democráticas”, através do Conselho Superior (inteiramente contaminado pelas tramoias internas da instituição), a fim de alijar César Perri da presidência da Federação Espírita Brasileira. E conseguiu!

No atual movimento espírita César Perri tem exercido intensa atividade social e literária, escrevendo inúmeros artigos em colaboração com diversos periódicos. É autor dentre outros dos seguintes livros: O Espiritismo em Araçatuba (1975); Dama da Caridade (1982); Em Louvor à Vida e Repositório de Sabedoria (1980), Vols. 1 e 2, (compilações) com pensamentos da psicografia de Divaldo P. Franco, Os Sábios e a Senhora Piper (1986); Entre a matéria e o Espírito (co-autoria Oswaldo Magro Filho – 1990) Espiritismo e Modernidade (1996), além de ser co-autor em diversas obras editadas pela USE e pela Federação Espírita Brasileira. Epístolas de Paulo à luz do Espiritismo (2016) (1) e Centro Espírita. Prática espírita e cristã (2016)

[i] Fonte: U.S.E. 50 anos de Unificação – 1947 a 1997.

Brasília (DF) 28 de novembro de 2016

Irmãos W e Jorge Hessen

ENTREVISTA COM Antonio César Perri de Carvalho

Revista A Senda

Federação Espírita do Estado do Espírito Santo

 

União – Ação social – Ética

Sabemos que ao longo dos últimos 53 anos você participou intensamente de vários momentos do Movimento Espírita Nacional e Internacional, com diversas ações na busca do ideal da Unificação. Nesse sentido, quais as reflexões necessárias, no momento atual, para a consolidação da Unificação do Movimento?

Perri:

Em função de várias experiências vivenciadas ao longo desse longo período de tempo e em todos os níveis de abrangência, consideramos que as Obras Básicas de Allan Kardec devem ser a base para os acordos de união e logicamente referencial para as práticas.

Entendemos que a consolidação da unificação do movimento espírita deve passar por análises e avaliações fundamentadas em Allan Kardec: nos seus cinco livros principais, em Viagem Espírita em 1862, em Revista Espírita e em Obras Póstumas, que registram inúmeras orientações e relatos de diálogos e visitas que devem servir de principal referencial para os assuntos relacionados com união e relacionamento entre pessoas e instituições.

Além do Codificador e muito coerente com suas recomendações há mensagens históricas sobre união e unificação psicografadas por Chico Xavier, como a pioneira, do espírito Emmanuel: "Em nome do evangelho" (1948); e o texto marcante de Bezerra de Menezes: "Unificação" (1963).* Entendemos que estas referências merecem profundas reflexões para balisarem estudos sobre a união espírita.

Nessas, dispomos de orientações muito claras fundamentadas no ideal da união fraternal e que não se restringem apenas a acordos formais.

Estamos, ainda, muito longe da conquista deste ideal?

Perri:

Inegavelmente houve muito progresso desde a proposta inicial conhecida como Bases de Organização Espírita (1904), dos tempos do presidente da FEB Leopoldo Cirne.* União e unificação devem ser entendidas como um processo e não obra acabada.

Realmente devem dar a ideia de movimentação, de ação, imbricadas das bases espíritas e, claro, da moral cristã. Portanto, como nenhum ser ou instituição são perfeitos, é sempre cabível a avaliação e o aperfeiçoamento do processo.

As pessoas, normas e instituições refletem o estado geral das condições éticas e morais do mundo de nossos dias. E os espíritos nos afiançam que nosso planeta está ainda distante do predomínio de valores voltados ao bem e à paz.

O Movimento Espírita organizado tem propiciado atrativos para que o jovem se sinta pertencente ao trabalho na Casa Espírita?

Perri:

Essa questão nos preocupa intensamente. Quem conviveu com o trabalho e o dinamismo dos jovens espíritas de meados do século XX e conhece os dados estatísticos sobre religião em nosso país, dos Censos do IBGE dos anos 2.000 e 2.010, percebe que, comparativamente com outras religiões, o segmento jovem não evoluiu significativamente no movimento espírita.*

Portanto, cremos que há muito a ser feito para se realizar diagnóstico real e desapaixonado da situação, buscando encaminhamentos que favoreçam a integração do jovem nos centros e no movimento espírita.

No livro Perturbações Espirituais, Manoel Philomeno de Miranda, pela psicografia de Divaldo Franco, alerta os dirigentes espíritas sobre as tenebrosas organizações do Mal. Que antídotos os dirigentes devem adotar para se contraporem a essas investidas organizadas às Instituições Espíritas?

Perri:

Para se contrapor a essas investidas organizadas, é primordial a adoção da profilaxia do orgulho e do egoísmo, tão repetidos em O livro dos espíritos e em O evangelho segundo o espiritismo: “O egoísmo, esta chaga da humanidade, deve […] em si próprio, pois esse monstro devorador de todas as inteligências, esse filho do orgulho, é a fonte de todas as misérias terrenas.” (ESE, Cap. XI, item 11). Tudo o mais é decorrente dessas duas reações.

O Codificador estabeleceu, em artigo publicado na edição de setembro de 1858 da Revista Espírita, quatro períodos de Propagação do Espiritismo; sendo o quarto período denominado de influência sobre a ordem social. No seu entendimento, quais seriam, hoje, as ações práticas que estão sendo desenvolvidas pelos espíritas, no sentido de que esta influência dos ensinamentos espíritas se faça sobre a ordem social?

Perri:

Ao longo do século XX, a dedicação dos espíritas, consolidou milhares instituições de assistência social em nosso país. Os espíritas passaram a ser respeitados pelo “bem que fazem”. Todavia, embora esteja incluído o item “Participação Social”, nos “Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro”, períodos 2007/2012 e 2013/2017, aprovados pelo CFN da FEB – e, aliás, este último se extingue neste ano -, entendemos que há muito a ser realizado no sentido de se registrar uma posição espírita mais evidente em várias vertentes da ordem social.

Em seu artigo Ética e Moral na Atualidade, publicado na edição de mai/jun de 2017 de A Senda, você coloca, num dos parágrafos, quando aborda os aspectos ético-morais no momento de crise pelo qual passamos, o seguinte: “A seara espírita também é ambiente para o cultivo de valores ético-morais.

E numa análise mais profunda pode-se verificar que a concepção e a prática da religião podem conduzir a equívocos. Num país de dimensões continentais as diferenças são evidentes. Torna-se imperioso o respeito à diversidade, pois não seriam convenientes as orientações, programas de estudos e de trabalhos padronizados.” Gostaria que explorasse um pouco mais essas considerações.

Perri:

No geral, por mais esforço que se faça, sempre há uma certa influência do meio e, para nós espíritas, também há o entendimento de influências de vivências de outros tempos e de outras reencarnações.

O movimento espírita não está isento dessas influências. Nosso planeta não tem a característica da encarnação de seres perfeitos. Por isso, há posturas que podem lembrar movimentos e ações institucionais religiosas de outros tempos.

Afinal, em O evangelho segundo o espiritismo (Cap. XVII, item 4) há a anotação de que “reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços em dominar suas más inclinações”.

A outra questão é que sendo espíritos encarnados, não somos iguais, temos experiências diversas e nos encontramos em estágios diferentes. Daí a razão de se evitar tratamentos às pessoas exigindo-se delas que sejam “à nossa imagem e semelhança” a começar de dentro do nosso ambiente familiar.

Como respondeu Chico Xavier em entrevista em 1977: “[…] deveríamos refletir em unificação, em termos de família humana…”* Por isso entendemos que não cabem as padronizações ou adoção de cópias autênticas de projetos de trabalho e de estudo para todas instituições. As propostas de trabalho e de estudos devem ser sugestivas, abrindo-se espaço para as flexibilizações e adequações, à cada realidade e cada público alvo.

O Espiritismo aqui está para restabelecer e trabalhar o projeto da Boa Nova, que deve criar um novo relacionamento pessoal e institucional!

(* – Citações extraídas de Carvalho, Antonio Cesar Perri. Centro espírita. Prática espírita e cristã. São Paulo: USE. 2016. 196p.)

A Senda – Órgão da FEEES – Ano 95 – N. 187 – Set.-Out. 2017 – p. 15-16.

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Dezenas de palestras espíritas de Antonio César Perri de Carvalho)

Fontes: GEECX - Grupo de Estudos Espíritas Chico Xavier (Antonio César Perri de Carvalho - Divulgação On Line)

Fontes: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita (Repensar os centros espíritas. De Paulo  à atualidade)

As atividades espíritas pressupõem movimentação. E está cunhada a expressão 'Movimento Espírita' para se referir às ações em geral, implementadas pelas diversas instituições espíritas. Torna-se interessante lembrarmos que o ativo apóstolo Paulo, em vários trechos de suas epístolas, faz referência a bom combate, corrida, alvo...

Que tenhamos sempre o ideal renovado para prosseguirmos no bom combate pelas ações no bem e de forma contínua: "prossigo para o alvo..." (Filipenses, 3:14)

Antonio César Perri de Carvalho "Em Ações Espíritas"

"Se o Espiritismo pudesse ser retardado em sua marcha, não o seria pelos ataques abertos de seus inimigos declarados, mas pelo zelo irrefletido dos amigos imprudentes."

Allan Kardec - Revista Espírita, junho de 1862 - Ensinos e dissertações espíritas - O Espiritismo filosófico

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Biografia de Antonio César Perri de Carvalho

 

Histórico Sintético do Núcleo De Estudos e Pesquisas do Evangelho (NEPE da FEB) (Organizadores: Antonio Cesar Perri de Carvalho e Célia Maria Rey de Carvalho)

 

Projeto “Começar pelo Começo” (Luz na Mente entrevistou César Perri, Ex-Presidente da Federação Espírita do Brasil - FEB)

 

RELAÇÃO DE PALESTRAS ESPÍRITAS DE CÉSAR PERRI

(EM VÍDEO NO YOUTUBE)

 

Ciclo de Palestras com César Perri (Vídeo-aulas “Espiritismo à luz do Evangelho”, gravados pela equipe do NEPE e convidados, com produção da TVCEI e FEBtv)

Palestras Espíritas do 17º Congresso Estadual de Espiritismo - USE 70 anos (Congresso Estadual de Espiritismo organizado pela USE - União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo - Participação: Antonio César Perri de Carvalho )

Palestra Espírita - Temos liberdade dada por Deus mas nem tudo convém a um filho de Deus (Conferência "Temos liberdade dada por Deus mas nem tudo convém a um filho de Deus" com César Perri - 35º CONRESPI em Barretos em 26/02/2017)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Epístolas de Paulo à Luz do Espiritismo) (Palestra Espírita proferida em 19/11/2016, no Grupo da Fraternidade Espírita "José Xavier", Três Lagoas, MS. Palestra baseada no livro de sua autoria, com o mesmo título, que destaca as recomendações morais do Apóstolo, com abordagens simples, objetivas e fundamentadas nas obras de Allan Kardec e do Espírito Emmanuel de obras de Chico Xavier)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Solenidade de Comemoração dos 130 anos de nascimento de Benedita Fernandes PARTE 01)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Solenidade de Comemoração dos 130 anos de nascimento de Benedita Fernandes PARTE 02)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (O Home de Bem) Palestra Espírita proferida em 20/11/2016, no Centro Espírita Fé e Caridade, Andradina, SP, por ocasião do XXVI ENCONTRO DOS TRABALHADORES ESPÍRITAS DA REGIÃO DE URUBUPUNGÁ, organizado pela USE Regional.

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Evangelho para os simples) (Na noite do dia 5 de agosto, com apoio das USES Municipal e Regional de Araçatuba, foi realizada a palestra "Evangelho para os simples", por Cesar Perri (DF) nas dependências do Centro Espírita Irmã Angélica, Araçatuba. Na abertura, um dos dirigentes, Gregório Carlos Rodrigues, fez homenagem a tios do expositor, o casal Belks e Pedro Perri, fundadores do Centro anfitrião. O evento foi transmitido ao vivo pela webtv Rede Amigo Espírita)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra VIDA - Instrumento de evolução do Espírito) (Palestra realizada no dia 1º CEU (Congresso Espírita de Uberlândia) - 30/01/2016)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (A Visão Espírita sobre Deus) (Palestra proferida na noite de sábado, 05/03/2016 na FEAK de Juiz de Fora/MG e transmitida ao vivo na Rede Amigo Espírita)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Congresso Espírita de Sergipe - 2016 - A dimensão espiritual do trabalho fraterno nas casas espíritas)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Mediunidade e Evangelho) (Palestra proferida em 29/06/2016 no Centro Espírita Irmã Angélica na cidade de Araçatuba/SP e transmitida ao vivo pela Rede Amigo Espírita)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Diante da vida com Chico Xavier) (42º mês de Kardec de Franca - de 01/10 a 30/10/2016)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Não ponhais a candeia debaixo do alqueire)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra Espírita - Tema: Nossa gente)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra realizada no 15º Congresso Estadual de Espiritismo, em 01-05-12, promovido pela USESP, na cidade de Franca, SP)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Sustentação solidária de diferentes realidades) (Palestra realizada no 15º Congresso Estadual de Espiritismo, em 01-05-12, promovido pela USESP, na cidade de Franca, SP)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Entrevista com Antonio Cesar Perri de Carvalho - Diretor da FEB (Federação Espírita Brasileira) realizada no dia 14/06/2011 na Aliança Espírita Varas da Videira em Araçatuba/SP)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra "Centro Espírita Escola de Almas - Antonio César Perri de Carvalho" com Antonio César Perri de Carvalho, diretor da FEB (Federação Espírita Brasileira) em comemoração aos 62 anos da Aliança Espírita Varas da Videira em Araçatuba/SP realizada no dia 13/06/2011)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra realizada no 6º Congresso Espírita Mundial em Valencia na Espanha no dia 11/10/2010 com Antonio César Perri, tema: Chico Xavier, contribuições de sua Obra Psicográfica. Impacto da obra no mundo - PARTE 01)

Palestra Espírita - Antonio César Perri de Carvalho (Palestra realizada no 6º Congresso Espírita Mundial em Valencia na Espanha no dia 11/10/2010 com Antonio César Perri, tema: Chico Xavier, contribuições de sua Obra Psicográfica. Impacto da obra no mundo - PARTE 02)