CÉSAR LOMBROSO

O GRANDE MÉDICO ESPÍRITA

O pesquisador espírita incansável

(1835 - 1909)

 

O pesquisador César Lombroso teve como material de pesquisa a médium Eusápia Palladino ver LINK

Introdução do site:

O site vem trazer um grande Paladino do Espiritismo, vindo das terras Italianas, foi um dos grandes contraditores da Doutrina Espírita por ser seguidor da Doutrina Positivista de Augusto Comte.

Sendo um pesquisador tenaz que buscava a verdade pela verdade acabou se convertendo ao Espiritismo através da materialização do espírito de sua própria mãe.

Irmãos W.

Biografia de César Lombroso:

O Professor Cesare Lombroso, é natural da Itália, da cidade de Verona, onde reencarnou, no dia 06 de Novembro de 1835; seu desencarne ocorreu em Turim, Itália, no dia 19 de Outubro de 1909, com 74 anos incompletos. Era descendente, pelo lado materno, de judeus espanhóis, que foram expulsos, em 1492, pelos Reis Católicos.

Sua família, que desfrutava de recursos financeiros, passou por vicissitudes, e, não obstante, então de relativa pobreza, manteve-se unida. Sua educação fundou-se na crença judaica.

Médico, antropólogo e criminologista italiano investigou os fenômenos espíritas estudando os grandes médiuns do seu tempo, em sessões muitas das quais realizadas em Milão, com a companhia de ilustres cientistas.

Na condição de articulista, num diário de Verona, aos 15 anos de idade, em 1850, critica a obra de Paolo Marzolo - “Monumenti storici rivelati dall´analisi della parola” - que, se surpreendeu o autor, pela inteligência do artigo, mais o fez, ao conhecer o articulista, Cesare Lombroso, então um jovem, quem supunha ser um provecto articulista. - Foi esta, segundo narra Ceccarei, em sua “Vita di Marzolo”, a maior emoção de Marzolo, por ser o autor um jovem e o primeiro a reconhecer o seu gênio. Marzolo tornou-se o grande orientador de Lombroso, iniciando-o no estudo das ciências e das artes, e possibilitando-lhe o conhecimento de idiomas, como o caldeu, o chinês, o hebreu, e outros idiomas europeus, e, persuadido e inspirado, ainda por seu protetor, decide-se ao estudo da Medicina e da Antropologia.

Lombroso estudou Medicina nas Universidades de Pavia, Pádua e Viena, nos anos de 1852 a 1857. Formou-se em 13 de março de 1858, pela Real Universidade de Pavia, porém foi na Universidade de Viena, ao lado de grandes mestres da psiquiatria, que foi levado ao aprofundamento desse estudo.

Na sua juventude, com 17 anos, em 1852, já publicara trabalhos literários que mereceram destaque no jornal de Verona, como “Saggio sulla storia della Republica Romana” e “Schizzi di un quadro storico dell´antica agricoltura in Itália” notando-se, nelas, Marzollo com influencia.

Nos anos seguintes publica vários trabalhos que assinalam seu posicionamento e preocupações doutrinárias no campo das aplicações práticas da Medicina, levando-o a revalidar o seu diploma de médico, em 1859, na Real Universidade de Genova, então anexada ao Piemonte, para obter láurea em cirurgia.

Em 1859, antes de estalar a guerra franco-italiana, a que se alistou para servir como médico do Corpo de Saúde Militar, publicou a monografia “Ricerche sul cretinismo in Lombardia”.

Em 1861, o Supremo Conselho Militar de Saúde distingue-o por sua publicação “Sobre Feridas de Armas de Fogo” e, em 6 de março desse ano é promovido ao posto de médico de batalhão 1ª. Classe e agraciado com a medalha francesa da campanha de 1859, que libertou a Lombardia.

Em 1862 assinala sua presença no campo do magistério, ministrando um curso livre e gratuito, de Psiquiatria, na Universidade de Pávia; em 1863 é “privatdocent” da Clinica das Doenças Mentais e Antropologia; e, em 1864, é nomeado professor “incaricato” (substituto ou temporário) pelo Governo, de Clinica de Doenças Mentais e Antropologia.

O seu currículo é vasto, e próprio para um livro à parte, levando o Professor Sergio Sighele a declarar que, Lombroso, o criador da Antropologia Criminal, demonstrando ser o criminoso mais doente do que culpado, “fez pelos delinqüentes o que Pinel fez pelos loucos”.

No campo cientifico, Lorenzo Ellero, escreveu que Lombroso teve “a coragem dos inovadores geniais, profundamente convencidos, ao afrontar, sozinho, o mundo das idéias secularmente esteriotipadas, mas teve, também, a coragem de afrontar a si mesmo e contradizer-se, tudo por insaciável ardor pela verdade”.

O padre Agostinho Gemelli, reitor da Universidade Católica de Milão, e presidente da Academia Pontifícia das Ciências, que combateu as doutrinas de Lombroso, declararia, mais tarde, em 1951, conforme narrou o Professor Leonidio Ribeiro, que “ninguém mais poderá negar hoje que a Antropologia Criminal realizou conquistas importantes, no campo da ciência”.

A célebre obra, de sua autoria, “L´Uomo delinqüente in rapporto all´antropologia, giusrisprudenza e discipline carcararie”, publicada em Milão, em 1876, é um tratado elaborado, com pacientes estudos, realizados entre os soldados durante a guerra, entre presos e enfermos mentais, fundamentando seus conceitos de que o criminoso tanto quanto o delito decorrem de um produto atávico, herança da idade selvagem, da idade animal e até da idade da infância, e o delito é uma conseqüência da organização física e moral do criminoso, e o leva à concepção ousada e original do “homem delinqüente”, o “criminoso nato”, ser humano incorrigível e irresponsável.

Lombroso, referem-se os Doutores Natonini e Tirelli, por seu trabalho sobre o problema pelagrógico, merece “ser aclamado como pai da pelagrogia (Pelagra) moderna”.

Segundo Ferri, a descoberta da causa específica da pelagra, sua profilaxia e tratamento, a gênese natural do delito e a natureza do homem de gênio, entre outras, são as mais importantes. Essa obra, publicada em inúmeros idiomas, foi reproduzida por incontáveis edições, que, só por si, mereceria um enorme espaço.

Mas, Lombroso tinha um encontro marcado com o Espiritismo. Em seu opúsculo “Studi sull ipnotismo” (Turim, 1882), ele ridiculariza e insulta os espíritas.

Em 1888, porém, em artigos, já se revela menos agressivo, salientando, com raciocínio lógico e de bom senso: “quem sabe se eu e meus amigos, que rimos do Espiritismo, não laboramos em erro”.

E aconteceu o encontro com o Conde Ercole Chiaia, que através de longa carta, convidou Lombroso para um encontro - que fosse em Roma, Nápoles ou Turim - para conhecer uma “doente” extraordinária, com a qual se produziam os mais estranhos fenômenos, para comprovar-lhes ou negar-lhes a realidade, convite que foi aceito com a condição de que o encontro se realiza-se à luz do dia, no apartamento do hotel em que se hospedasse.
Foram inúmeras as sessões e variada a gama de fenômenos obtidos.

Os participantes de tais sessões eram personalidades importantes e professores ilustres, como Augusto Tamburini, Vizioli, Ascensi, Leonardo Bianchi, Verdinois, Limoncelli, Penta, De Amicis, Ciolfi, Finzi, bem como grandes pesquisadores como Richet, Schiaparelli, Du Prel, Aksakoff, e outros.

Lombroso, leal e verdadeiro, numa carta dirigida ao professor Ciolfi, publicada na “Tribuna Giudiziaria”, em data de 15 de Julho de 1891, com a sua autorização, confessava: “Estou muito envergonhado e desgostoso por haver combatido com tanta persistência a possibilidade dos fatos chamados espiríticos; digo fatos, porque continuo ainda contrário à teoria. Mas os fatos existem, e eu me orgulho deles ser escravo”.

Foi em 1902, após tantas reuniões com as mais ilustres personalidades, que, numa dessas sessões, na casa da Condessa Celésia, com a médium Eusápia Paladino, emocionado e surpreso, Lombroso vê, materializado, o Espírito de sua mãe. Ouve-lhe a voz e sente o seu contato, o que se repete anos depois. Fatos que nunca mais esqueceu, e que repetia sempre aos seus amigos.

Sua produção bibliográfica, no campo cientifico, relaciona-se, principalmente, com a Medicina Legal, a Psiquiatria, a Criminologia, com as disciplinas carcerárias, a justiça penal, a profilaxia do deliro, etc., a fora memórias e artigos científicos.

No Brasil, foi vertido para o português, do original italiano, “Richerche sui fenomini hipnotici e spiritici”, edição 1909, com o título “Hipnotismo e Mediunidade”, por Almerindo Martins de Castro, editado pela FEB, Rio de Janeiro, 1945, 1ª. Edição, e por Carlos Imbassahy, com o título “Hipnotismo e Espiritismo”, editado pela LAKE, São Paulo.

Fontes: Revista ICESP

 

Fontes: Vita Oltre la Morte (Documentario sulla vita di Cesare Lombroso)

Fontes: Museo di Antropologia Criminale - Cesare Lombroso

Fontes: Portal Espírito.Org (Domério de Oliveira - César Lombroso diante do Espiritismo)

"Em uma determinada sessão, robusteceu-se, ainda mais, a plena convicção de Lombroso, ante a materialização do Espírito de sua mãe. Eusápia prometeu uma surpresa a Lombroso e esta concretizou-se através da materialização do Espírito de sua própria mãe. Sim, meus amigos, o Espírito da mãe de Lombroso materializou-se e aproximando do seu filho lhe disse: “Cesare, fio mio” e depois retirando, por um momento, o véu que lhe cobria a face, deu-lhe um beijo. E Lombroso confessa que, no instante, em que ocorria a materialização do Espírito da sua mãe, Eusápia tinha as mãos presas por duas pessoas e que também a estatura de Eusápia era bem mais alta do que a do Espírito materializado da sua mãe."

César Lombroso "Hipnotismo e Espiritismo"

"Estou muito envergonhado e desgostoso por haver combatido com tanta persistência a possibilidade dos fatos chamados espíritas; mas os fatos existem e eu deles me orgulho de ser escravo."

César Lombroso "Hipnotismo e Espiritismo"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

As pesquisas César Lombroso com a médium Eusápia Palladino  (César Lombroso - Hipnotismo e Espiritismo)

 

O Guia - Jornal Espírita de Manaus - Dezembro de 1907 (Porque me fiz espírita)

 

Biografia de César Lombroso (César Lombroso - Hipnotismo e Espiritismo)

 

César Lombroso - Hipnotismo e Espiritismo

 

Cesare Lombroso - After Death - What -Spiritistic Phenomena and their Interpreatation - 1906 (En)