José María Fernández Colavida

 

Allan Kardec

O Grande Mestre de Lyon

(BIOGRAFIA)

 

OBRA RARA TRADUZIDA

 

REVISTA ESPIRITISTA

PERIÓDICOS

ESTUDIOS PSICOLÓGICOS

AÑO 01 - MAYO - 1869 - N.º 1

 

IMPRENTA DE LOS HIJOS DE DOMENECH, BASEA, 30

BARCELONA (ESPANHA)

 

Tradutora do Espanhol para o Português

Teresa da Espanha

Prefácio da obra:

Kardec e Colavida, duas vidas em subsídios biográficos

Allan Kardec, pseudônimo de Hippolyte Leon Denizard Rivail, nasceu em Lyon, França, no dia 3 de outubro de 1804. Tornou-se educador e entusiasta do ensino, tendo sido várias vezes convidado por Pestalozzi para assumir a direção da escola, na sua ausência. Durante 30 anos (de 1824 a 1854), dedicou-se inteiramente ao ensino e foi autor de várias obras didáticas, que em muito contribuíram para o progresso de educação, naquela época.

Em 1855, o prof. Rivail se depara, pela primeira vez, com o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam, em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida. Passa então a observar estes fenômenos; pesquisa-os cuidadosamente, graças ao seu espírito de investigação, que sempre lhe fora peculiar, não elabora qualquer teoria pré-concebida, mas insiste na descoberta das causas. Aplica a estes fenômenos o método experimental com o qual já estava familiarizado na função de educador, e partindo dos efeitos remonta às causas e reconhece a autenticidade daqueles fenômenos. Convenceu-se da existência dos espíritos e de sua comunicação com os homens.

Grande transformação se opera na vida do prof. Rivail: convencido de sua condição de espírito encarnado, adota um nome já usado em existência anterior, no tempo dos druidas: "Allan Kardec". De 1855 a 1869, consagrou sua existência ao Espiritismo; sob a assistência dos Espíritos Superiores, representados pelo Espírito da Verdade, estabelece as bases da Codificação Espírita, em seu tríplice aspecto: Filosófico, Científico e Religioso.

Além das obras básicas da Codificação contribuiu com outros livros básicos de iniciação doutrinária, como: "O Que é o Espiritismo", "O Espiritismo na Sua Mais Simples Expressão" e "Instruções Práticas Sobre as Manifestações Espíritas. A estas obras junta-se a "Revista Espírita", jornal de estudos psicológicos, lançado a 1 de janeiro de 1858 e que esteve sob sua direção por 12 anos.

É também de sua iniciativa a fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, em 01 de abril de 1858 a primeira instituição regularmente constituída com o objetivo de promover estudos que favorecessem o progresso do Espiritismo. Assim surgiu o Espiritismo com a ação dos Espíritos Superiores, apoiados na maturidade moral e cultural de Allan Kardec, no papel de codificador.

Com a máxima "Fora da caridade não há salvação", procura ressaltar a igualdade entre os homens, perante Deus, a tolerância, a liberdade de consciência e a benevolência mútua. A este princípio cabe juntar outro: "Fé inabalável é aquela que pode encarar a razão face à face, em todas as épocas da humanidade". Esclarece Allan Kardec: "A fé raciocinada que se apóia nos fatos e na lógica, não deixa qualquer obscuridade: crê-se, porque se tem certeza e só se está certo, quando se compreende".

Allan Kardec faleceu em Paris, França, no dia 31 de março de 1869. Em seu túmulo, no cemitério de Père Lachaise (Paris), uma inscrição sintetiza a concepção evolucionista da Doutrina Espírita: "Nascer, Morrer, Renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei".

José María Fernández Colavida, nascido quinze anos depois de Allan Kardec, perdeu os bens, a família, mas encontrou o consolo no O Livro dos Espíritos, ganho do capitão da marinha. Ele viria a se tornar um dos maiores divulgadores do Espiritismo na Espanha. Sempre se distinguiu por sua caridade extrema, foi um dos mais entusiastas fundadores da Sociedade Amigos dos Pobres. Defendendo os interesses desta Sociedade, a qual presidiu, ganhou muitos inimigos.

Pelos grandes empreendimentos que liderou na sua trajetória de divulgador e praticante do Espiritismo, por suas renúncias e dedicação aos mais carentes, Colavida, um dos apóstolos do Espiritismo na Espanha, foi considerado o "Kardec espanhol".

O Congresso Espírita de 1888 se reuniu em Barcelona, ocasião em que Colavida foi aclamado, com entusiasmo, presidente honorário; justa recompensa por seus méritos.

Aconselhado pelos espíritos, ele começou a tradução e a publicação das obras fundamentais do Espiritismo. Mas, não se contentando apenas com estas publicações, funda o primeiro Centro de Estudos Espíritas em Barcelona e a Sociedade Barcelonesa Propagandista do Espiritismo, que ele sustentou da mesma maneira que a Revista Espírita – Jornal de Estudos Psicológicos, de Allan Kardec. O primeiro número apareceu em maio de 1869.

Colavida era a alma do jornal e da Sociedade que em 1875 já havia publicado as obras fundamentais da Doutrina, os resumos de Allan Kardec, além de A Verdadeira Doutrina Espírita, Harmonia da Lei e da Razão, O Espiritismo na Bíblia, Harmonia Universal, duas edições da Coleção de Orações, Melodia para o Espírito de Isem, Celeste e Ensaios de um Quadro Sinótico para a Unidade Religiosa do Espírito Romano Leila. Tudo isso faz de José María Fernández Colavida o mais importante divulgador do Espiritismo na Espanha em sua época.

Durante o período de trinta anos, ele se dedicou assiduamente ao estudo e à propagação do Espiritismo. Os estudos profundos nos livros de Allan Kardec e da Revista Espírita, e as observações diretas dos espíritos nas sessões dos centros que fundou e dirigiu, deram-lhe grande conhecimento da ciência espírita, tornando-o conselheiro dos irmãos mais experimentados.

No Espiritismo fora um grande magnetizador e desenvolvera grande número de médiuns sonâmbulos. Realizou notáveis experiências e obteve prodigiosos resultados em sonambulismo lúcido aplicado ao Espiritismo. Apoiava-se em sua esposa, Ana de Campos, médium de excepcionais dotes, falecida em 5 de maio de 1882, e com a qual fora casado por 16 anos.

Apesar das grandes perdas, ele não quis deixar seu sonho de fazer novas publicações espíritas, quando a morte veio surpreendê-lo. Um dos seus desejos, o último e maior, foi o de ver continuar sua obra de propaganda e, principalmente, sua querida revista. Desencarnou em Barcelona em 29 de abril de 1909.

São Paulo, 04 de Maio de 2018

Jorge Hessen

Biografia de Allan Kardec:

O GRANDE MESTRE DE LYON

Sob a impressão da dor mais profunda, causada pela morte prematura do venerável M. Allan Kardec, profundo conhecedor da ciência espírita, assumimos hoje a obrigação simples e fácil, dada a sua perícia e grande inteligência na citada ciência, de dar a conhecer ao público os princípios fundamentais em que se baseia o Espiritismo, o qual, devemos confessar, para nós seria um peso superior às nossas fracas forças, se não contássemos com a concorrência efetiva dos bons Espíritos e com a indulgência de nossos leitores.

Quem poderia, dentre todos nós, orgulhar-se de possuir sem ser tido como presunçoso, o espírito metódico e de organização que tornam esclarecidas todas as obras do mestre? Somente sua poderosa inteligência poderia concentrar tantos materiais diferentes e depois espalhá-los como benéfico do orvalho sobre as almas desejosas de ver e amar.

Incisivo, conciso, profundo, ele sabia como agradar e se fazer entender em uma linguagem que era ao mesmo tempo simples e elevada, longe do estilo familiar e das obscuridades da metafísica.
Multiplicando-se continuamente, tinha conseguido, até aqui, bastar-se sozinho para tudo.

No entanto, o aumento diário de suas relações e o desenvolvimento incessante do Espiritismo fizeram com que ele sentisse a necessidade de procurar e se unir a alguns auxiliares inteligentes, preparando assim simultaneamente a nova organização da ciência e a sua doutrina, quando em meio às suas obras e grandes tarefas, nos deixou para seguir rumo a um mundo melhor e receber o prêmio de sua missão cumprida, e também para reunir os elementos de uma nova obra de sacrifícios e estudos.

Ele era sozinho!... Nós nos chamaremos de legião e por mais fracos e inexperientes que formos, temos a convicção íntima de que iremos estar à altura da situação se, com base nos princípios estabelecidos e em uma evidência inegável, nos concretizamos a executar, tanto quanto possível de acordo com as necessidades do momento, os futuros projetos que por si só prometia cumprir M. Allan Kardec.

Sem dúvida, teremos conosco o Espírito do grande filósofo, enquanto seguirmos o caminho por ele traçado, e certamente todas as boas vontades se unirão a nós, para que com nosso esforço comum possa ser alcançado o progresso moral e a regeneração intelectual da nossa humanidade.

Queira Deus que, conseguindo ele suprir a nossa insuficiência, possamos nós ser dignos de sua ajuda, consagrando-nos à tarefa com a abnegação e sinceridade com que o fazemos, visto não podermos com a ciência e a inteligência com que ele o fez.

Ele escreveu em sua bandeira estas palavras: trabalho, solidariedade, tolerância. Sejamos, como ele, infatigáveis; sejamos, de acordo com seus votos, tolerantes e solidários, sem receio de seguir o seu exemplo, levando uma e mil vezes ao campo da discussão os princípios mais discutidos.

Apelamos a todas as luzes, a todas as inteligências e a todas as pessoas de boa vontade. Tentaremos avançar com certeza antes que com rapidez, e nossos esforços não serão inúteis, e muito menos infrutíferos, tendo, como temos, a nossa mente disposta a prescindir de qualquer questão pessoal para nos ocuparmos única e exclusivamente com o bem geral.

Não poderíamos entrar sob auspícios mais favoráveis na nova fase que se abre para o espiritismo, senão dando a conhecer aos nossos leitores, num rápido esboço, o que foi toda a sua vida, o homem honesto e íntegro, o sábio inteligente e fecundo cuja memória será transmitida aos séculos futuros cercada pela aura dos benfeitores da humanidade.

Nascido em Lion em 3 de outubro de 1804, de uma antiga família que se destacava na magistratura e no fórum, M. Allan Kardec (Léon Hypolyte-Denizart Rivail) não seguiu essa carreira. Desde a juventude, sentiu-se inclinado ao estudo da ciência e da filosofia.

Educado na escola Pestalozzi em Yverdun (Suíça), ele foi um dos mais eminentes discípulos deste famoso professor e um dos propagadores zelosos de seu sistema educacional, que teve uma influência tão grande na reforma dos estudos na Alemanha e na França.

Dotado de uma notável inteligência e inclinado ao ensino pelo seu caráter e suas aptidões especiais, desde a idade de 14 anos ele ensinava o que sabia a todos aqueles colegas seus que haviam adquirido menos do que ele. Foi nesta escola que se desenvolveram as idéias que o colocariam mais tarde na classe dos homens de progresso e livre-pensadores.

Nascido na religião católica, porém educado em um país protestante, a intolerância que sofreu por essa razão fizeram que desde muito cedo ele concebesse a idéia de uma reforma religiosa, na qual trabalhou em silêncio por muitos anos, com o intuito de chegar à unificação das crenças; no entanto, faltava o elemento indispensável para a solução desse grande problema. Mais tarde, o Espiritismo veio fornecer e imprimir uma direção especial aos seus trabalhos.

Depois de concluír seus estudos, ele veio para a França. Como conhecia a língua alemã em profundidade, traduzia para esta nação diferentes obras sobre educação e moral, sendo as obras de Fenelon as suas prediletas, visto estar totalmente seduzido por elas.

Ele era membro de muitas sociedades científicas, entre as quais a Real Academia de Arras, que no concurso de 1831 o coroou por uma memória notável sobre a questão: Qual é o sistema de estudo mais em harmonia com as necessidades desta época?

De 1835 a 1840, ministrava cursos gratuitos em sua casa na Rua Sévres, onde ensinava química, física, anatomia comparada, astronomia, etc. etc; uma empreitada digna de elogios em qualquer tempo e, sobretudo, numa época em que um número muito pequeno de inteligências arriscava trilhar esse caminho.

Preocupado constantemente em tornar divertidos e interessantes os sistemas educativos, inventou ao mesmo tempo um método engenhoso para ensinar a contagem e um quadro mnemônico da história da França, cuja finalidade era fixar na memória a data dos eventos notáveis e as grandes descobertas que ilustravam cada reino. Entre suas numerosas obras de educação, citaremos:

Proposta de plano para melhoria da instrução pública, (1828). Curso prático e teórico de aritmética, segundo o método de Pestalozzi, para uso de professores e mães de família, (1829). Gramática Francesa Clássica, (1831). Manual dos exames para os títulos de capacidade. Soluções fundamentadas das questões e problemas de aritmética e geometria, (1846). Catecismo Gramatical da Língua Francesa, (1818). Programa dos cursos habituais em Química, Física, Astronomia e Fisiologia ministrados no LICEU POLIMÁTICO. Ditados normais dos exames da Prefeitura e da Sorbonne, acompanhados de ditados especiais sobre dificuldades de ortografia, (1819), trabalho muito estimado na época de sua aparição e do qual ainda estavam saindo, recentemente, novas edições.

Antes que o Espiritismo viesse popularizar o pseudônimo de Allan Kardec, ele soubera ilustrar-se, como foi visto, por trabalhos de natureza muito diferente, embora sempre com o objetivo de ilustrar as massas e uni-las mais à sua família e ao seu país.

Por volta de 1850, época em que começava a se falar em manifestações espíritas, M. Allan Kardec dedicou-se a observações perseverantes sobre esse fenômeno, dando prioridade principalmente a deduzir dele as consequências filosóficas. Evidentemente ele logo conseguiu ver o princípio de novas leis naturais: aquelas que regem as relações do mundo visível com o invisível, reconhecendo na ação deste último, uma das forças da natureza, cujo conhecimento deveria trazer luz sobre uma infinidade de problemas, considerados insolúveis quando entendido seu alcance sob o ponto de vista religioso.

Suas principais obras nesta matéria são: O livro dos Espíritos, para a parte filosófica, cuja primeira edição apareceu em 18 de abril de 1857. O livro dos Médiuns, para a parte experimental e científica (Janeiro de 1861). O Evangelho segundo o Espiritismo, para a parte moral (Abril de 1864). O Céu e o inferno, ou a justiça de Deus, segundo o Espiritismo (agosto de 1866). A Gênese, os milagres e as profecias (Janeiro de 1868). Revista Espiritista, jornal de estudos psicológicos, coleção mensal iniciada em 1º de janeiro de 1858.

Ele também fundou em Paris em 1º de abril de 1838 a primeira sociedade espírita regularmente constituída com o nome de Sociedade Parisiense de estudos espíritas, cuja finalidade exclusiva é o estudo de tudo aquilo que pode contribuir para o progresso desta nova ciência. M. Allan Kardec nega, com razão, ter escrito qualquer coisa sob a influência de ideias preconcebidas ou sistemáticas; homem de caráter sério e grande calma, ele observou os fatos e, a partir de suas observações, deduziu as leis que os governavam. Ele foi o primeiro em dar a teoria e formar com ela um corpo metódico e regular.

Demonstrando que os fatos falsamente qualificados como sobrenaturais estão sujeitos a certas leis, faz com que eles entrem na ordem dos fenômenos da natureza, e assim destrói o último refúgio do maravilhoso e um dos elementos da superstição.

Durante os primeiros anos em que começaram a ser questionados os fenômenos espíritas, essas manifestações eram mais objeto de curiosidade, do que motivo para meditações sérias.

O livro dos Espíritos fez enxergar essas coisas sob um aspecto totalmente diferente; foram então deixadas de lado as mesas girantes, que não eram mais do que um prelúdio; para formar um corpo de doutrina que abraçasse todas as questões que interessam à humanidade.

O verdadeiro conhecimento do Espiritismo data da aparição do Livro dos Espíritos, ciência que até então possuía apenas elementos dispersos sem coordenação e cujo alcance não podia ser compreendido por todos. A partir deste momento a doutrina atraiu a atenção dos homens sérios, desenvolvendo-se rapidamente. Aderiram-se a essas ideias, em poucos anos, pessoas de todas as classes da sociedade e em todos os países. Este resultado, sem precedentes, é sem dúvida devido às simpatias que essas ideias encontraram; mas também se deve em grande parte à clareza, que é uma das características distintivas dos escritos de M. Allan Kardec.

Abstendo-se das fórmulas abstratas da metafísica, o autor soube fazer-se ler sem fadiga; condição essencial para a vulgarização de uma ideia. Sua argumentação, de uma lógica infalível, oferece pouco campo para a refutação e predispõe à convicção em todos os pontos de controvérsia. A evidência material que o Espiritismo dá sobre a existência da alma e da vida futura, tendem à destruição de idéias materialistas e panteístas.

Um dos princípios mais frutíferos desta doutrina, e que emana do que precede, é o da pluralidade de existências, já vislumbrada por multidão de filósofos antigos e modernos, e nestes últimos tempos por Jean Reynaud, Charles Fourier, Eugenio Sue e outros; mas ela tinha ficado no estado de hipótese e sistema, enquanto o Espiritismo demonstra a realidade e prova que é um dos atributos essenciais da humanidade.

A partir deste princípio, começa a solução de todas as aparentes anomalias da vida humana, de todas as desigualdades intelectuais, morais e sociais; o homem sabe de onde vem, para onde vai, qual é o seu propósito de estar na Terra e por que sofre nela.

As idéias inatas são explicadas pelo conhecimento adquirido em vidas anteriores; a marcha dos povos e da humanidade, pelos homens do passado, que renascem depois de terem progredido; as simpatias e antipatias, pela natureza dos relacionamentos anteriores; estes relacionamentos, que compõem a grande família humana de todas as épocas, dão como base as mesmas leis da natureza, e não mais uma teoria, para os grandes princípios de fraternidade, igualdade, liberdade e solidariedade universal.

Em vez do princípio, fora da Igreja não há salvação, que mantém a divisão e animosidade entre as diferentes seitas, e que já fez derramar tanto sangue, o Espiritismo tem como lema: fora da caridade não há salvação, isto é, a igualdade entre os homens diante de Deus, a tolerância, a liberdade de consciência e a benevolência mútua.

Em vez da fé cega, que aniquila a liberdade de pensar, ele diz: "não há fé mais inabalável do que a que pode olhar a razão cara a cara em todas as épocas da humanidade. A fé precisa de um fundamento, e esse fundamento é o entendimento perfeito do que deve ser acreditado; para acreditar, não é suficiente ver, é preciso, acima de tudo, entender.

A fé cega não é mais deste século; de fato, o dogma da fé cega é justamente o que hoje faz o maior número de incrédulos, porque quer se impor e exige a abdicação de uma das mais preciosas faculdades do homem: o raciocínio e o livre arbítrio". "(O Evangelho segundo o Espiritismo).

Trabalhador incansável, primeiro e último sempre na tarefa, Allan Kardec sucumbiu em 31 de março de 1869, em meio aos preparativos para uma mudança de local, que se tornava necessária pela considerável extensão de suas muitas ocupações. Numerosas obras que estavam prestes a terminar, ou que esperavam a hora oportuna de aparecer, virão um dia para provar ainda mais a extensão e o poder de suas concepções. Ele morreu como viveu, trabalhando.

Sofria, de longos anos atrás, de uma doença cardíaca que não podia ser combatida exceto pelo descanso intelectual e pouca atividade material; no entanto, completamente dedicado ao seu trabalho, ele se recusava a qualquer coisa que pudesse roubar um só de seus momentos, ao custo de suas ocupações favoritas. Nele, como em todas as almas fortemente temperadas: a espada desgastou a bainha.

Seu corpo tornara-se pesado e negava-lhe seus serviços, mas seu espírito, mais vivo, mais enérgico, mais fecundo, estendia sempre o círculo de suas atividades.

Nesta luta desigual, a matéria não pôde resistir por mais tempo. Um dia foi vencida. O aneurisma se rompeu e Allan Kardec caiu como se tivesse sido atingido por um raio. Um homem da Terra desaparecia; mas um grande nome tomava lugar entre as ilustrações deste século, um grande espírito iria ser temperado novamente no infinito, onde todos aqueles que ele tinha consolado e ilustrado esperavam com impaciência sua chegada!

A morte, dizia ele recentemente, fere as classes ilustres com golpes redobrados! Quem virá libertar agora?

Depois de tantos outros, ele foi se regenerar novamente no espaço e procurar novos elementos para renovar seu organismo gasto por uma vida inteira de trabalho incessante. Partiu com aqueles que serão os faróis da nova geração, e irá retornar com eles depois, para continuar e concluir o trabalho que deixou em mãos ardorosas.

O homem não existe mais, porém a alma permanecerá entre nós; ele é um protetor seguro, uma nova luz, um trabalhador incansável, e com ele as falanges do espaço foram acrescentadas. Como na Terra, sem ferir ninguém, ele saberá fazer com que cada um entenda o conselho conveniente. Acalmará o zelo prematuro dos ardentes, apoiará os sinceros e desprendidos, e estimulará os frouxos. Hoje ele vê, hoje ele sabe tudo aquilo que, não há muito, antecipava. Ele não está mais sujeito a incertezas ou perplexidade, e nos fará compartilhar sua convicção, fazendo-nos tocar a meta, indicando o caminho, com sua linguagem clara e precisa que faz dele um exemplo nos anais literários.

O homem não existe mais, repetimos; mas Allan Kardec é imortal, e sua memória, seus trabalhos, seu espírito estarão sempre com aqueles que irão manter firme e muito alta a bandeira que ele sempre soube fazer respeitar.

Uma individualidade poderosa constituiu sua obra; ele era o guia e a luz de tudo. Na Terra, a obra substituirá o indivíduo. Não nos reuniremos em torno de Allan Kardec, nos reuniremos em torno do Espiritismo, como ele o constituiu, e por seus conselhos, e sob sua influência, avançaremos com passo certo rumo às etapas felizes prometidas à humanidade regenerada.

Revista espiritista. Maio/1869, n.º 1

José María Fernández Colavida

"O Kardec Espanhol"

Revista Espiritista - Periodicos de Estudios Psicológicos

(1869 - 1888)

José María Fernández Colavida

"O Kardec Espanhol"

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (César Perri - O Espiritismo na era da globalização - ADE/SP - Ano 1997)

Fontes: Estudios Espíritas (Blog al estudio y a la divulgación del Espiritismo)

 Fontes: A Luz na Mente » Revista on line de Artigos Espíritas (Uma análise crítica de “Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho)

"Em vez do princípio, fora da Igreja não há salvação, que mantém a divisão e animosidade entre as diferentes seitas, e que já fez derramar tanto sangue, o Espiritismo tem como lema: fora da caridade não há salvação, isto é, a igualdade entre os homens diante de Deus, a tolerância, a liberdade de consciência e a benevolência mútua."

José María Fernández Colavida "O Kardec Espanhol"

"Ele escreveu em sua bandeira estas palavras: trabalho, solidariedade, tolerância. Sejamos, como ele, infatigáveis; sejamos, de acordo com seus votos, tolerantes e solidários, sem receio de seguir o seu exemplo, levando uma e mil vezes ao campo da discussão os princípios mais discutidos."

José María Fernández Colavida "O Kardec Espanhol"

"O homem não existe mais, repetimos; mas Allan Kardec é imortal, e sua memória, seus trabalhos, seu espírito estarão sempre com aqueles que irão manter firme e muito alta a bandeira que ele sempre soube fazer respeitar."

José María Fernández Colavida "O Kardec Espanhol"
 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

José María Fernández Colavida - Allan Kardec/ O Grande Mestre de Lyon

 

Revista Espiritista - Periódico de Estudios Psicológicos (1869 - 1875)