ANDRÉ DUMAS

PRESIDENTE DA Union Spirite Française

OS GRANDES DIVULGADORES DO ESPIRITISMO NA FRANÇA

(???? - 1997)

 

ANDRÉ DUMAS

ALLAN KARDEC SUA VIDA E SUA OBRA

(BIOGRAFIA DE ALLAN KARDEC)

Biografia de André Dumas:

André Dumas, escritor e dirigente espírita francês, foi presidente da União Espírita Francesa (UEF) e diretor da Revista Espírita na década de 1970. Por muitos anos administrou o legado de Kardec e seus seguidores.

No entanto, é mais lembrado pela mudança do nome desta tradicional instituição espírita, em 1976: União Científica Francofônica para a Investigação Psíquica e o Estudo da Sobrevivência da Alma (USFIPES), em vez de UEF.

Nesse mesmo ano, para desagrado dos espíritas, principalmente brasileiros, a tradicional revista fundada por Kardec deixa de circular. Em seu lugar Dumas lança um periódico denominado Renaître 2000. Segundo ele, as palavras espírita e espiritismo se descaracterizaram em seu verdadeiro significado, vinculando-se ao misticismo, ao religiosismo. Por isso a mudança.

O resultado foi a completa marginalização de Dumas e a briga jurídica com a União Espírita Francesa e Francofônica, fundada por Roger Perez em 1985, pelos direitos da Revista Espírita. Dois anos depois a instituição obtém sentença judicial favorável a Perez e a revista volta a circular novamente após 12 anos de interrupção, mas agora com um conteúdo mais religioso e doutrinante.

Apesar de ser lembrado como uma espécie de traidor, de Judas da causa espírita, Dumas foi um dirigente e um intelectual espírita importante na história do Espiritismo francês. Sua visão, laica e filosófica, destoava da grande maioria dos espíritas, notadamente os brasileiros, afeitos a concepções religiosas e sectárias, influenciados em demasia pelos cânones do cristianismo.

Além desta obra, Dumas escreveu La science de l'âme: initiation méthodique à l'étude des phénomènes supranormaux et aux théories de la métapsychologie, inédita no Brasil, e vários artigos para a Revista Espírita. André Dumas desencarnou em 1997.

Este ensaio biográfico que o Pense lança com exclusividade, em edição digital, foi distribuído em 1983 na forma de opúsculo, como um suplemento, uma separata da revista espírita portuguesa Estudos Psíquicos. A tradução é de Maria Raquel Duarte Santos, esposa de Isidoro Duarte Santos, fundador do periódico; ambos com eminente atuação no movimento espírita português, ao tempo da ditadura de António Salazar.

Fontes: Pensamento Social Espírita

Allan Kardec, sua vida e sua obra:

Contrariando numerosas opiniões, aquele que viria a ser Allan Kardec era um homem ponderado, prudente e pouco dado a entusiasmos irrefletidos.

Após a sua juventude, familiarizou-se com o magnetismo e sonambulismo, prosseguindo seus estudos paralelamente com seus trabalhos pedagógicos e cursos científicos que dirigia no liceu. Quando ouviu falar da existência de mesas girantes e falantes, teve a seguinte exclamação: "histórias para adormecer".

No entanto, isto não o impediu de mais tarde se interessar e interrogar sobre o assunto. Passou-se em 1854. Tinha ele 50 anos. As sessões a que fora convidado a assistir persuadiram-no de que, sob a aparente futilidade da "espécie de diversão que faziam com aqueles fenômenos", havia "algo de sério e como que a revelação duma nova lei", que a si mesmo prometeu investigar a fundo.

No entanto, ele continuava prudente:

Apliquei a esta nova ciência, como sempre fizera, o método da experimentação: jamais utilizei teorias preconcebidas; observava atentamente,comparava e deduzia as consequências e através dos efeitos procuro remontar às causas pela dedução e o encadeamento lógico dos fatos, admitindo somente qualquer explicação como válida, quando esta resolver todas as dificuldades da questão... vislumbro naqueles fenômenos a chave do problema, tão obscuro quanto controverso, do passado e do futuro da humanidade, a solução daquilo que tenho procurado toda a minha vida; em suma, uma total revolução nas ideias e nas crenças; era, portanto, necessário agir com circunspecção, não levianamente; ser positivista e não idealista,para não me deixar arrastar por ilusões.(3)

(3) Allan Kardec: Minha Primeira Iniciação no Espiritismo - Livro das Previsões - Obras Póstumas.

Não compartilhava do entusiasmo de alguns experimentadores, entre eles Victorien Sardou, o editor Didier e René Taillandier, membro da Academia Francesa, os quais, após cinco anos de reuniões, lhe solicitaram coligisse e organizasse, numa síntese, todas as comunicações contidas em cinquenta cadernos. Ele, porém, recusou e é através duma mensagem mediúnica pessoal, assegurando-lhe o apoio do mundo invisível, que se decidiu a aceitar tão ingrata incumbência.

Examinando estas mensagens, a fim de as coligir, as perguntas científicas e filosóficas que interpôs através de vários médiuns e das pesquisas experimentais, levaram Rivail à convicção da realidade dum mundo invisível; no entanto, para ele, os espíritos, não sendo necessariamente os detentores da Verdade, nada mais são do que a alma dos homens, sendo seu saber condicionado ao nível da sua evolução, "cada um de nós pode ensinar alguma coisa, ao passo que individualmente nenhum nos poderia ter inteirado de tudo, cabe ao observador formular o conjunto com o auxílio dos dados provenientes de várias fontes, comparados, coordenados e controlados uns pelos outros".

Os espíritos foram para mim — dizia o futuro Allan Kardec — "desde o menorzinho até ao maior, veículos de informação e não reveladores predestinados".

***

É da síntese dos resultados desta investigação — da sua "sondagem", em suma — sobre a opinião filosófica em intercâmbio com o lado de lá, mais precisamente o lado de lá europeu em 1857, como diremos, que nasceu O Livro dos Espíritos.

O professor Léon Denizard Rivail, bastante conhecido pelos seus trabalhos pedagógicos, publicou esta obra com o objetivo de esclarecer um assunto tão controverso e estabelecer em bases concretas todo o esforço que lhe foi exigido, e sem qualquer evidência (4), razão por que adotou o pseudônimo de Allan Kardec, seu guia espiritual e cuja existência remontava dos tempos dos druidas.

(4) Revista Espirita, junho de 1865, pp. 164-165.

No entanto, o sucesso desta obra obrigou o batalhador a renunciar ao desejo de retirada. "Pronta-mente ao trabalho", dizia ele, "entendo dever prosseguir". Impulsionando e orientando o movimento de interesse que despertara, lança a Revista Espírita, cujo primeiro número aparece a público em 1º de janeiro de 1858, funda a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e publica dois novos trabalhos que as circunstâncias de momento exigiam.

Fontes: André Dumas - Allan Kardec sua Vida e sua Obra

Fontes: Institut Français de Recherche et D’expérimentation Spirite

Fontes: USFIPES

"A fé necessita de uma base, e essa base é a perfeita compreensão daquilo em que se deve crer. Para crer, não basta ver, é necessário compreender."

Allan Kardec "O Codificador da Doutrina Espírita"

"Uma sociedade cujos membros fossem todos guiados pelo amor ao próximo; que inscrevesse a caridade no alto de todos os seus códigos, seria feliz, e em breve veria apagarem-se os ódios e as discórdias. O Espiritismo pode realizar este prodígio e o fará, a despeito dos que ainda o agridem, porque os agressores passarão, mas o Espiritismo permanecerá."

Allan Kardec "Revista Espírita, agosto de 1860 - Concordância espírita e cristã"

 

RELAÇÃO DE OBRAS PARA DOWNLOAD

 

Fontes: Canal Espírita Jorge Hessen (Doutrina espírita para principiantes completo)

 

André Dumas - Allan Kardec sua Vida e sua Obra