Portanto, pode-se afirmar que as edições francesas, da 1ª edição à 4ª edição, providenciadas por Allan Kardec são as originais e na qual todo o mundo espírita deve-se debruçar e estudar

 

ALLAN KARDEC - A GÊNESE

os milagres e as predições segundo o Espiritismo

 

A Doutrina Espírita há resultado do ensino coletivo e concordante dos Espíritos.

— A Ciência é chamada a constituir a Gênese de acordo com as leis da Natureza.

— Deus prova a sua grandeza e seu poder pela imutabilidade das suas leis e não pela ab-rogação delas.

— Para Deus, o passado e o futuro são o presente

 

TRADUTOR: Louis Neilmoris

TRADUZIDO DA 1ª EDIÇÃO 1868

OBRA ORIGINAL DE ALLAN KARDEC

EM PDF

 

A Gênese, de Allan Kardec, na versão especial "Numa Linguagem Simplificada", adaptada por Louis Neilmoris. Esta edição foi traduzida a partir da obra original (em francês, La Genèse, les Miracles et les Prédictions selon le Spiritisme), na sua 1ª edição, lançada em 6 de janeiro de 1868, portanto, há 150 anos.

 

ALLAN KARDEC - A GÊNESE

os milagres e as predições segundo o Espiritismo

 

A Doutrina Espírita há resultado do ensino coletivo e concordante dos Espíritos.

— A Ciência é chamada a constituir a Gênese de acordo com as leis da Natureza.

— Deus prova a sua grandeza e seu poder pela imutabilidade das suas leis e não pela ab-rogação delas.

— Para Deus, o passado e o futuro são o presente

 

EDITORA CELD

TRADUTORA: Albertina Escudeiro Sêco

TRADUZIDO DA 4ª EDIÇÃO 1868

OBRA ORIGINAL DE ALLAN KARDEC

EM PDF

 

Allan Kardec - La Genèse

Les Miracles et les Prédictions Selon le Spiritisme

LIBRAIRE INTERNATIONALE - 15, boulevard Montmartre

Et au bureau de la Revue spirite, 59, rue et passage Sainte-Anne

01ª ÉDITION - PARIS (1868)

Sinopse da obra:

Quinta e última das obras básicas da Codificação do Espiritismo, “A Gênese – os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo” é um livro que, conhecido e estudado, proporciona uma oportunidade excepcional de imersão em grandes temas de interesse universal, abordados de forma lógica, racional e reveladora.

Divide-se a obra em três partes: na primeira parte analisa a origem do planeta Terra, de forma coerente, fugindo às interpretações misteriosas e mágicas sobre a criação do mundo; na segunda parte aborda a questão dos milagres, explicando a natureza dos fluidos e os fatos extraordinários contidos no Evangelho; na terceira parte enfoca as predições do Evangelho, os sinais dos tempos e a geração nova, que marcará um novo tempo no mundo com a prática da justiça, da paz e da fraternidade.

Os assuntos apresentados nos dezoito capítulos desta obra têm como base a imutabilidade das grandiosas Leis Divinas.

Apresentação de Allan Kardec:

BIBLIOGRAFIA

(À VENDA NO DIA 6 DE JANEIRO DE 1868)

A GÊNESE

OS MILAGRES E AS PREDIÇÕES SEGUNDO O ESPIRITISMO

POR ALLAN KARDEC

SUMÁRIO

Introdução

I – Caráter da revelação espírita.
II – Deus – Existência de Deus – Da natureza divina – A Providência – A visão de Deus.
III – O bem e o mal – Origem do bem e do mal -A inteligência e o instinto – Destruição dos seres vivos uns pelos outros.
IV – Papel da Ciência na Gênese.
V – Antigos e modernos sistemas dos mundos.
VI – Uranografia geral – O espaço e o tempo – A matéria – As leis e as forças – A criação primeira – A criação universal – Os sóis e os planetas – Os satélites – Os cometas – A Via-Láctea – As estrelas fixas – Os desertos do espaço – Eterna sucessão dos mundos – A vida universal – A Ciência – Considerações Morais.
VII – Esboço geológico da Terra – Períodos geológicos -Estado primitivo do globo – Período primário – Período de transição – Período secundário – Período terciário – Período diluviano – Período pós-diluviano, ou atual – Nascimento do homem.
VIII – Teorias da Terra – Teoria da projeção (Buffon) – Teoria da condensação – Teoria da incrustação.
IX – Revoluções do globo – Revoluções gerais ou parciais – Dilúvio bíblico – Revoluções periódicas – Cataclismos futuros.
X – Gênese orgânica – Formação primária dos seres vivos – Princípio vital – Geração espontânea – Escala dos seres corpóreos – O homem.
XI – Gênese espiritual – Princípio espiritual – União do princípio espiritual à matéria – Hipótese sobre a origem do corpo humano – Encarnação dos Espíritos – Reencarnação – Emigração e imigração dos Espíritos – Raça adâmica – Doutrina dos anjos decaídos.
XII – Gênese moisaica – Os seis dias – O paraíso perdido.

OS MILAGRES

XIII – Caracteres dos milagres.
XIV – Os fluidos – Natureza e propriedade dos fluidos – Explicação natural de alguns fatos considerados sobrenaturais.
XV – Os milagres do Evangelho – Observações preliminares – Sonhos – Estrela dos magos – Dupla vista – Curas – Possessos – Ressurreições – Jesus caminha sobre as águas – Transfiguração – Tempestade aplacada – Bodas de Caná – Multiplicação dos pães – Tentação de Jesus – Prodígios na morte de Jesus – Aparição de Jesus depois da morte – Desaparecimento do corpo de Jesus.

AS PREDIÇÕES

XVI – Teoria da presciência.
XVII – Predições do Evangelho – Ninguém é profeta em sua terra – Morte e paixão de Jesus – Perseguição dos apóstolos – Cidades impenitentes – Ruína do Templo e de Jerusalém – Maldições aos fariseus – Minhas palavras não passarão – A pedra angular – Parábola dos vinhateiros homicidas – Um só rebanho e um só pastor – Advento de Elias – Anunciação do Consolador – Segundo advento do Cristo – Sinais precursores – Vossos filhos e vossas filhas profetizarão – Juízo final.
XVIII – Os tempos são chegados – Sinais dos tempos – A geração nova.

Allan Kardec

Revista Espírita de Janeiro de 1868

O ARTIGO

UMA INFÂMIA

Le Spiritisme (1ª quinzena) dezembro 1884.

Henri Sausse, o principal biógrafo de Kardec e dinâmico líder espírita francês, em artigos – um deles intitulado “Uma infâmia” - publicados no jornal Le Spiritisme, em 1884 e 1885, já levantava questões sobre as adulterações na 5ª edição de A Gênese e apontou 126 alterações no texto original.

***

Perdoem-me, Irmãos e Irmãs de fé, se, a contragosto, deixei-me levar pela indignação que minha alma transborda.

Deveria expulsar do meu coração todo pensamento de raiva e ódio. Há, contudo, circunstâncias em que não se pode conter uma indignação muito justa.

Todos nós sabíamos que havia uma sociedade espírita, fundada para a continuação das obras de Allan Kardec, e nela confiávamos que cuidasse da integridade da herança moral que nos foi deixada pelo mestre. O que ignorávamos é que ao lado dela, talvez até na sua sombra, se organizasse uma outra para a corrupção das obras fundamentais da nossa doutrina, e esta última, não apenas existe, mas pode ainda continuar com sua triste tarefa.

Não tenho certeza se todas as obras de Allan Kardec foram sujas por mãos sacrílegas, mas me dei conta de que havia pelo menos uma, A Gênese, que havia sofrido importantes mutilações.

Chocado com estas três palavras: Revisada, Corrigida e Aumentada, colocadas abaixo da quinta edição, tive a paciência de confrontar, página por página, linha por linha, esta quinta edição com aquela publicada em 1868, que eu comprei logo após seu lançamento. Aqui está o resultado do meu trabalho.

Descobri, comparando os textos da primeira e da quinta edição, que 126 trechos tinham sido modificados, acrescentados ou suprimidos. Desse número, onze (11) foram objetos de uma revisão parcial. Cinquenta (50) foram acrescidos e sessenta e cinco (65) foram suprimidos, e não conto os números dos parágrafos trocados de lugar nem os títulos que foram adicionados.

Todas as partes desse livro sofreram mutilações mais ou menos graves, mas o capítulo XVIII: Os tempos são chegados, é o que foi mais maltratado; as modificações feitas nele o tornam quase irreconhecível.

Agora, digam-me, quem são os culpados?

Qual o motivo dessas manobras?

Mencionarei, na primeira edição de A Gênese, apenas uma das passagens que foram excluídas e basta apontá-las para que vocês mesmos ponham-se a julgar quem deveria lucrar com essa infâmia.

A Gênese, edição de 1868, capitulo XV. Os Milagres do Evangelho, páginas 379 e 380:

"N° 67. No que se tornou o corpo carnal? É um problema cuja solução só pode ser deduzida, até nova ordem, que, senão por hipóteses, faltam elementos suficientes para estabelecer uma convicção. Esta solução, além disso, é de uma importância secundária e não acrescentará nada aos méritos do Cristo, nem aos fatos que comprovam, de uma maneira bem mais peremptória, sua superioridade e sua missão divina.

"Portanto, só pode haver opiniões pessoais sobre o modo como esse desaparecimento ocorreu, que só teriam valor a menos que fossem sancionados por uma lógica rigorosa e pelo controle universal dos Espíritos, e, até o presente, nenhuma das que foram formuladas recebeu a sanção desse duplo controle.

"Se os Espíritos ainda não decidiram a questão pela unanimidade de seus ensinamentos, é que sem dúvidas o momento de resolvê-la ainda não veio, ou que nos faltam os conhecimentos pelos quais poderíamos resolvê-la nós mesmos. Entretanto, se descartarmos a suposição de um sequestro clandestino, poderíamos encontrar, por analogia, uma explicação provável na teoria do duplo fenômeno de transportes e invisibilidade."

A supressão dessa passagem deixa evidente a quem Allan Kardec foi vendido para que fosse necessário insistir nesse ponto. Todos os espíritas sabem a quem se aplica o segundo parágrafo que eu mesmo enfatizei.

Henri Sausse

P. S. — Para aqueles que gostariam de estar cientes das modificações sofridas por A Gênese, aqui estão os números das páginas onde poderão ser encontradas.

- Passagens modificadas da edição de 1868:
Páginas: 68, 79, 85, 105, 148, 155, 181, 203, 205, 215, 429 (onze).

- Passagens adicionadas na 5ª edição: 
Páginas: 10, 16, 17, 48, 52, 73, (75-76), 84, 104, 127, 133, 138, 142, 159, 174, 176, 178, (188-189), 194, 196, (201-202-203-204), 212, (220-221), 223, 234, (240-241), 245, 251, 257, 274, (276-277-278), 284, 286, 301, 310, 311, 312, 313, (314-315-316), 320, (367-368), 376, 394, 399, 424, 433, 436, (448-449-450-451-452-453-454), 455 (cinquenta).

- Passagens suprimidas da edição de 1868: 
Páginas: 12, 23, 47, 48, 50, 54, 58, (59- 60), (61- 62), 65, 69, 73, 74, 78, 82, 83, 85, 86, (87-88), 93, 95, 97, 118, (145-146-147), 165, (173-174), 177, 181, 189, 190, 192, 195, 203, 204, 205, 229, 232, 243, (244-245), 247*, 251, 263, (267-268*), 270, 279, (303-304-305), (379-380), (385-386), 389, 392, 393, 403, 411, 412, 433, (435-436), (439-440), (441-442), (444-445-446), (447-448), (451-452-453) (sessenta e cinco).

As supressões das páginas marcadas por um * é característico.

H. S.

Fonte: Rogério Miguez - Influenciações no Espiritismo Pós-Allan Kardec

Alguns Textos Retirados da 5ª edição de 1872

 A Gênese de Allan Kardec que foi Adulterada

Capítulo XVIII – item 20

Nesse grande movimento regenerador, o Espiritismo tem um papel considerável, não o Espiritismo ridículo, inventado por uma crítica zombeteira, mas o Espiritismo filosófico, tal como o compreende qualquer um que se dê ao trabalho de procurar a amêndoa sob sua casca.

Pelas provas que fornece das verdades fundamentais, ele preenche o vazio que a incredulidade criou nas ideias e nas crenças; pela certeza que dá de um futuro conforme a justiça de Deus e que a razão, a mais severa, pode admitir, ameniza as amarguras da vida e previne os funestos efeitos do desespero.

Fazendo conhecer novas leis da natureza, ele dá a chave de fenômenos incompreendidos e de problemas insolúveis até nossos dias, e destrói a incredulidade e a superstição. Para ele, não há nem sobrenatural nem maravilhoso, tudo acontece no mundo, em virtude de leis imutáveis.

Longe de substituir um exclusivismo por outro, o Espiritismo coloca-se como campeão absoluto da liberdade de consciência; combate o fanatismo sob todas as formas, e o corta pela raiz, anunciando a salvação para todos os homens de bem, assim como a possibilidade, para os mais imperfeitos, de chegar, por seus esforços, pela expiação e reparação, à perfeição, que leva à suprema felicidade. Em lugar de desencorajar o fraco, encoraja-o mostrando-lhe a porta que ele pode abrir.

Nunca diz: Fora do Espiritismo não há salvação, mas, com o Cristo: Fora da caridade não há salvação; princípio de tolerância que unirá os homens em um sentimento comum de fraternidade, em vez de separá-los em seitas inimigas.

Por este outro princípio: Não há fé inquebrantável senão a que pode olhar a razão face a face, em todos as épocas da humanidade, ele destrói o império da fé cega que aniquila a razão, a obediência passiva que embrutece; emancipa a inteligência do homem e ergue sua moral.

Consequente com ele próprio, não se impõe; diz o que é, o que quer, o que dá, e atende àquele que vier livremente, voluntariamente; quer ser aceito pela razão e não pela força. Respeita todas as crenças sinceras e só combate a incredulidade, o egoísmo, o orgulho e a hipocrisia, que são as chagas da sociedade e os obstáculos mais sérios ao progresso moral; mas ele não condena ninguém, nem mesmo seus inimigos, porque está convencido de que o caminho do bem está aberto aos mais imperfeitos, que cedo ou tarde, por ele entrarão.

Capítulo XVIII – item 24

Dizendo que a humanidade está madura para a regeneração, isto não significa que todos os indivíduos estejam no mesmo grau, mas muitos tem, por intuição, o germe das novas ideias que as circunstâncias farão eclodir; então, estes se mostrarão mais avançados do que se supunha, e seguirão com solicitude o impulso da maioria.

Entretanto, existem aqueles que são refratários por natureza, mesmo entre os mais inteligentes, e que certamente, não se reunirão jamais, pelo menos, nesta existência: uns, de boa fé, por convicção, outros por interesse. São aqueles cujos interesses materiais estão ligados ao estado atual das coisas, e que não estão bastante avançados para renunciar a eles, e aqueles a quem o bem geral preocupa menos que o seu próprio bem, e que não podem ver sem apreensão, o menor movimento reformador.

A verdade é, para eles, uma questão secundária, ou melhor dizendo, a verdade para certas pessoas, está inteira naquilo que não lhes causa nenhum transtorno. Todas as ideias progressivas são, a seus olhos, ideias subversivas; é por isso que lhe devotam um ódio implacável e lhes fazem uma guerra encarniçada. Inteligentes o suficiente, para ver no Espiritismo um auxiliar das ideias progressistas e dos elementos de transformação que receiam, e porque não se sentem à sua altura, eles se esforçam por destruí-lo. Se o julgassem sem valor e sem importância, não se preocupariam com ele. Nós já dissemos: “Quanto mais uma idéia é grandiosa, mais encontra adversários, e pode-se medir sua importância pela violência dos ataques dos quais seja objeto”.

 

AS REPERCUSSÕES NOS MEIOS ESPÍRITAS

LANÇAMENTO DA 01 EDIÇÃO DO LIVRO A GÊNESE "ALLAN KARDEC"

 

A GÊNESE - RESENHA DA TRADUÇÃO DA 1ª EDIÇÃO FRANCESA

LANÇADA PELA FEAL

Obra: A Gênese. Os milagres e as predições segundo o espiritismo;
Autor: Allan Kardec;
Tradução: da 1ª edição, de janeiro de 1868;
Tradutor: Carlos de Brito Imbassahy;
Equipe da Editora: edição e notas, revisão da tradução, revisão final, produção editorial, capa e projeto gráfico;
Páginas: 413.
Editora: Fundação Espírita André Luiz; 
Local: São Paulo;
Data: maio de 2018;

Houve a atuação de uma equipe para a edição da presente obra traduzida.

Na Apresentação é transcrita mensagem de São Luís (Paris, 18 de dezembro de 1867); e há comentários sobre o valor e a fidedignidade da obra: O derradeiro e conclusivo livro de Allan Kardec, por Paulo Henrique de Figueiredo; Os fatos e as provas irrefutáveis, por Simoni Privato Goidanich; Obra original, atual e contemporânea, por Marcelo Henrique Teixeira, e, ainda: O direito moral e a garantia da integridade da obra, por Júlio Nogueira. Conta também com um Prefácio de autoria de Paulo Henrique de Figueiredo.

O prefaciador esclarece que não cabe “uma atualização dos conceitos e paradigmas científicos de nosso tempo diante das referências utilizadas por Allan Kardec de obras de seu tempo” e justifica que elaborou “notas explicativas para esclarecer ao leitor as expressões, termos e idéias citadas por Kardec, que pertencem aos paradigmas aceitos em sua época, pelas Ciências oficiais, contextualizando a obra em seu cenário cultural original”. Evidentemente que sem interferir no texto, há muitas notas de rodapé explicativas.

Como se trata da tradução da 1ª edição lançada por Allan Kardec em janeiro de 1868 e cujo conteúdo autorizado pelo Ministério do Interior e depositado na Biblioteca Imperial (Biblioteca Nacional da França) é o mesmo na 2ª, 3ª e 4ª edições publicadas pelo Codificador enquanto encarnado, representa um importante resgate histórico em língua portuguesa. Portanto é diferente das traduções da 5ª edição – “revista, corrigida e ampliada” – registrada e lançada em 1872.

A edição de A gênese, agora disponibilizada pela FEAL recompõe centenas de alterações que foram introduzidas na 5ª edição francesa, desde pontuações e alterações de palavras, a supressões e encaixes de trechos e de itens, com conceitos e redações que não conferem com o estilo de Allan Kardec, gerando em muitos pontos distorções doutrinárias.

Pela passagem dos 150 anos do lançamento de A gênese torna-se importante o estudo desta Obra Básica e para os que puderem, procederem à comparação da edição da FEAL com as demais traduções existentes, conferindo com os originais franceses publicados por Kardec, entre janeiro de 1868 e fevereiro de 1869. Estes se encontram facilmente disponíveis, na forma digital, em várias Bibliotecas européias.

O conteúdo trabalhado pelo Codificador no Capítulo 1 de A gênese é fortemente sugestivo para esse procedimento. Sem dúvida, trata-se de uma busca de fidelidade à obra de Allan Kardec.

Fonte: GEECX - Grupo de Estudos Espíritas Chico Xavier

 

AS REPERCUSSÕES NOS MEIOS ESPÍRITAS

LANÇAMENTO DA 01 EDIÇÃO DO LIVRO A GÊNESE "ALLAN KARDEC"

 

A USE emite nota oficial sobre as edições da A Gênese

 Dirigente Espírita # 166, Julho / Agosto da USE-SP

Baixar o documento em PDF

 

AS REPERCUSSÕES NOS MEIOS ESPÍRITAS

LANÇAMENTO DA 01 EDIÇÃO DO LIVRO A GÊNESE "ALLAN KARDEC"

 

Artigo publicado na edição de agosto de 2018

 Na Revista Internacional de Espiritismo (RIE)

Baixar o documento em PDF

Fontes: Canal Espírita (Transmissão da TV Mundo Maior (Lançamento da 01 Edição do livro "A Gênese" Allan Kardec)

Fontes: Canal Espírita (Seminário 150 anos de A Gênese - O Resgate Histórico com Simoni Privato Goidanich)

A União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo (USE-SP), em parceria com o Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo – Eduardo Carvalho Monteiro, Liga de Pesquisadores do Espiritismo (LIHPE) e Site Autores Clássicos Espíritas, promoveu no dia 04/03/2018 um Seminário com a pesquisadora Simoni Privato Goidanich sobre o seu livro “El legado de Allan Kardec”, lançado recentemente na Argentina, que trata das alterações ocorridas nas edições francesas do livro A Gênese, de Allan Kardec e nessa oportunidade foi lançado o livro na versão em português. Aconteceu também um painel onde Simoni Privato respondeu perguntas sobre o tema.

"Quando o Espírito tem de encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço fluídico, que mais não é do que uma expansão do seu perispírito, o liga ao gérmen que o atrai por uma força irresistível, desde o momento da concepção. À medida que o gérmen se desenvolve, o laço se encurta; sob a influência do princípio vito-material do germe, o perispírito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula a molécula, ao corpo em formação, donde o poder dizer-se que o Espírito, por intermédio do seu perispírito, se enraíza, de certa maneira, nesse germe como uma planta na terra, quando o gérmen chega ao seu pleno desenvolvimento, completa é a união; nasce, então o ser para a vida exterior."

Allan Kardec "A Gênese"

"O progresso material de um planeta acompanha o progresso moral de seus habitantes; ora, sendo incessante, como é, a criação dos mundos e dos Espíritos e progredindo estes mais ou menos rapidamente, conforme o uso que façam do livre arbítrio, segue-se que há mundos mais ou menos antigos, em graus diversos de adiantamento físico e moral, onde é mais ou menos material a encarnação e onde, por conseguinte, o trabalho, para os Espíritos, é mais ou menos rude.

Deste ponto de vista, a Terra é um dos menos adiantados. Povoada de Espíritos relativamente inferiores, a vida corpórea é aí mais penosa do que noutros orbes, havendo-os também mais atrasados, onde a existência é ainda mais penosa do que na Terra e em confronto com os quais esta seria, relativamente, um mundo ditoso."

Allan Kardec "A Gênese"

 

 

ALLAN KARDEC

A GÊNESE

DOWNLOAD LIVROS GRÁTIS

EM PDF

 

Allan Kardec A Gênese (Numa linguagem simplificada por Louis Neilmoris) (Traduzido da 1ª Edição de 1868)

 

Allan Kardec - A Gênese (Tradução de Albertina Escudeiro Sêco) (CELD) (Traduzido da 4ª Edição de 1868)

 

Allan Kardec - A Gênese (Tradutor Guillon Ribeiro) (FEB) (Traduzido da 5ª Edição de 1872) (Livro adulterado)

 

Baixar todas as edições de Allan Kardec no arquivo zipado

 

 

ALLAN KARDEC

LA GENÈSE

Les premières éditions

LANGUE FRANÇAISE ET ESPAGNOL

PDF

Allan Kardec - La Genèse - Les Miracles et les Prédictions Selon le Spiritisme - 1ª Édition (1868) (Fr)

 

Allan Kardec - La Genèse - Les Miracles et les Prédictions Selon le Spiritisme - 2ª Édition (1868) (Fr)

 

Allan Kardec - La Genèse - Les Miracles et les Prédictions Selon le Spiritisme - 4ª Édition (1868) (Fr)

 

Allan Kardec - La Genèse - Les Miracles et les Prédictions Selon le Spiritisme - 5ª Édition (1872) (Fr)

 

Allan Kardec - La Génesis - Los Milagros Y Las Predicciones - Según El Espiritismo - 1ª edición (1868) (Esp.)